sexta-feira, 14 de abril de 2017

O CASTIGO DA CRUCIFIÇÃO ENTRE OS ANTIGOS. Selvino Antonio Malfatti.



O castigo da crucificação foi o mais cruel dos métodos usados para execução dos condenados, aplicada a criminosos condenados por atos atrozes como assassinatos, furto grave, traição e rebelião. Era aplicada a escravos e não a romanos. Veio do oriente para o ocidente. Foi usada pelos gregos, cartagineses e romanos.
Antes do suplício o condenado era torturado com pontapés, socos, cusparadas e golpes em todo corpo. Depois a vítima era pendurada com pregos em um lenho. Os pregos perfuravam as duas mãos e os pés. O peso abdominal forçava as pernas que não aguentavam o peso da parte superior provocando morte por asfixia. Para abreviar o suplício às vezes os executores quebravam as pernas, Vejamos como Mateus descreve a crucificação de Jesus.
"Depois de escarnecerem dele, tiraram-lhe o manto e entregaram-lhe as vestes. Em seguida, levaram-no para o crucificar. 
Saindo, encontraram um homem de Cirene, chamado Simão, a quem obrigaram a levar a cruz de Jesus. 
Chegaram ao lugar chamado Gólgota, isto é, lugar do crânio.  
Deram-lhe de beber vinho misturado com fel. Ele provou, mas se recusou a beber. 
Depois de o haverem crucificado, dividiram suas vestes entre si, tirando a sorte. Cumpriu-se assim a profecia do profeta: Repartiram entre si minhas vestes e sobre meu manto lançaram a sorte (Sl 21,19). 
Sentaram-se e montaram guarda. 
Por cima de sua cabeça penduraram um escrito trazendo o motivo de sua crucificação: Este é Jesus, o rei dos judeus. 
Ao mesmo tempo foram crucificados com ele dois ladrões, um à sua direita e outro à sua esquerda. 
Os que passavam o injuriavam, sacudiam a cabeça e diziam: 
Tu, que destróis o templo e o reconstróis em três dias, salva-te a ti mesmo! Se és o Filho de Deus, desce da cruz! 
Os príncipes dos sacerdotes, os escribas e os anciãos também zombavam dele: 
Ele salvou a outros e não pode salvar-se a si mesmo! Se é rei de Israel, desça agora da cruz e nós creremos nele! 
Confiou em Deus, Deus o livre agora, se o ama, porque ele disse: Eu sou o Filho de Deus! 
E os ladrões, crucificados com ele, também o ultrajavam. 
Desde a hora sexta até a nona, cobriu-se toda a terra de trevas. 
Próximo da hora nona, Jesus exclamou em voz forte: Eli, Eli, lammá sabactáni? - o que quer dizer: Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste? 
A estas palavras, alguns dos que lá estavam diziam: Ele chama por Elias. 
Imediatamente um deles tomou uma esponja, embebeu-a em vinagre e apresentou-lha na ponta de uma vara para que bebesse. 
Os outros diziam: Deixa! Vejamos se Elias virá socorrê-lo. 
Jesus de novo lançou um grande brado, e entregou a alma."

Sao-Mateus/27/

6 comentários:

  1. O Cristo salvador do mundo tão injustiçado.

    ResponderExcluir
  2. Bem aventurados os que creem em CRISTO, Salvador da Humanidade.

    ResponderExcluir
  3. A desumanidade dos humanos. Um inocente dando sua vida por pecadores, até nossos dias sem arrependimento.

    ResponderExcluir
  4. Povo descrente e incrédulo, assim continuamos.

    ResponderExcluir
  5. Um inocente derrama seu sangue, tentando mostrar ao mundo o que é amar. Não somos suficientemente gente para entender os ensinamentos do Filho de Deus, somos vazios de fé, amor e continuamos valorizando o TER, no final saberemos a importância de sermos irmãos, o tempo não nos dará mais tempo.

    ResponderExcluir
  6. Que o CRISTO ressuscitado nos abençoe.
    Feliz Páscoa.

    ResponderExcluir