sexta-feira, 23 de março de 2012

FALECE AZIZ AB´SABER, O MESTRE DA ECOLOGIA NO BRASIL. Selvino Antonio Malfatti.

RESUMO: Além de contribuições em geografia,  as pesquisas se estendem a outros campos como ecologia, biologia, geologia e arqueologia.



Este blog é um espaço de conteúdos educativos, científicos e sociopolíticos. Por isso não poderia deixar de prestar uma homenagem a um grande educador  brasileiro, falecido no dia 16 deste, com 87 anos de idade. Trata-se do professor e pesquisador Aziz Ab´Saber. Galgou praticamente todos os degraus da vida profissional. Filho de pai de origem libanesa e de mãe brasileira permaneceu no ambiente da roça até os 17 anos quando ingressa como aluno de Geografia e História na Universidade de São Paulo. Sua primeira função pública foi de jardineiro da universidade, atividade esta que exerceu enquanto se preparava academicamente, inclusive na pós-graduação.
Após a primeira função – jardineiro - torna-se professor do ensino básico. Em seguida passa a lecionar na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, até ingressar como docente na Universidade de São Paulo.  
Além de contribuições em geografia, sua área de formação superior, as pesquisas se estendem a outros campos como ecologia, biologia, geologia e arqueologia. Destacam-se as pesquisas sobre ecologia e contribuições concretas como corroboração na descoberta de petróleo, a criação de parques tais como os da Serra do Mar e Japi e preservação do patrimônio histórico através do tombamento do Teatro Oficina, sem deixar de mencionar contribuições no campo da teoria educativa.
Pelo que transparece, a desilusão veio pelo engajamento na política partidária.  O ingresso nela deu-se como consultor ambiental do Partido dos Trabalhadores – PT. Trabalhou próximo a Lula até que concluiu que o governo estava a favor dos usineiros e que a transposição do Rio São Francisco atendia mais aos interesses dos grandes proprietários do que da população mais interessada. No seu entender, o governo é populista, pois, apenas adota medidas paliativas enquanto aprofunda o valo entre os interesses da população e dos grandes proprietários do nordeste seco. Foi também um duro crítico do Código Florestal considerando-o um desmonte da política ambiental brasileira.
Tudo isso fez com que Saber se tornasse um descrente da política. Isto acontece com boa parte dos que acalentam um ideal e sonham atingi-lo. No entanto, quem entra na política e quer dar-se bem faz como Fausto: um pacto com o diabo, diria Weber. Ou, como ensina Maquiavel, a coerência deve ceder lugar à conveniência.
Dentre as principais atividades e honrarias de seu currículo constam: Professor Emérito da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da USP, Professor do Instituto de Estudos Avançados da USP, Presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência.
Nas honrsarias, constam como as mais significativas: Membro Honorário da sociedade de Arqueologia Brasileira, Grão Cruz em Ciências da Terra, Prêmio Internacional de Arqueologia de 1998, Prêmio UNESCO para a Ciência e Meio Ambiente.
As obras científicas mais significativas:
- Ecossistemas Brasileiros
- Domínios da Natureza no Brasil - potencialidades paisagísticas
- Litoral Brasileiro
- Amazônia: do discurso a praxis
- Domínios geomorfológicos da América do Sul: primeira aproximação
- Terra Paulista
- O homem na América Tropical: estoques raciais em contato e conflito. E Outras.

Para concluir, uma piada política.
Perguntaram a alguém:
- Qual a diferença entre o governo inglês e o brasileiro.
Este responde:
- O governo inglês é parlamentar e o brasileiro para lamentar