sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

O fundamentalismo e o terrorismo religioso. José Maurício de Carvalho


Foi um choque para os franceses e, para os ocidentais em geral, o ataque executado esta semana pelos irmãos Said e Chérif Kouachi ao jornal parisiense Charles Hebdo. Como o assassinato dos jornalistas e policiais pelos dois irmãos foi executado por quem tem treinamento militar, veio a tona que eles foram treinados pela Al Qaeda da Península Ibérica. A organização assumiu a responsabilidade pelo atentado como represália às ofensas feitas ao Profeta Maomé. Aliás, o mesmo jornal foi alvo de outro ataque terrorista que destruiu sua redação em 2011, embora na ocasião sem causar nenhuma morte. Agora a ação foi radical contra os jornalistas e matou boa parte da equipe que compunha o hebdomadário.
A razão alegada para o ataque foram as charges ofensivas ao profeta Maomé, uma marca do jornal francês. Os jornalistas comentaram indignados o atentado levando o assunto para a defesa da liberdade de expressão e de opinião, valores do ocidente. Contudo, defender a liberdade de expressão só faz sentido num determinado contexto, e, nos dois casos, o problema foi muito mais grave que o desrespeito à liberdade de expressão. O segundo ataque sequer foi aos jornalistas. Para entender o fato temos que olhá-lo noutra perspectiva à procura dos motivos que levam a tais acontecimentos. Ainda que exista razões mais amplas que as alegadas para os ataques como interesses estratégicos envolvendo a criação de Estados Islâmicos ou repúdio puro e simples ao modo de vida ocidental (inclusive à liberdade de imprensa), esses outros motivos têm origem religiosa e contrapõe, pelo menos parte dos muçulmanos fundamentalistas, ao modo de vida ocidental. Assim para entender esse movimento precisamos ter claro que não há terrorismo religioso sem fundamentalismo, embora nem todo fundamentalismo religioso leve ao terrorismo. Parece que o fundamentalismo religioso é o problema a ser enfrentado e no caso, o fundamentalismo islamismo.
O massacre no jornal francês seguido do ataque ao supermercado Kosher, onde outro radical (Amedy Coulibaly) matou 4 pessoas antes de ser morto pela polícia, obriga à seguinte questão: faz sentido uma interpretação religiosa do texto sagrado que leve ao ódio ao diferente e estimule o assassinato como nos dois acontecimentos? Não há na moral islâmica (deixemos de lado a moral filosófica que normalmente importa pouco aos fundamentalistas) nenhuma restrição à violência e defesa do respeito ao semelhante como algo sagrado a ser preservado? Como a interpretação dos textos sagrados, de qualquer religião, é sempre trabalho do homem, o fato indica duas coisas. Primeiro que é necessário despender todo esforço e inteligência humanas no sentido de compreender os textos sagrados (de qualquer religião). Esse trabalho, muitas vezes pouco valorizado, é essencial para melhor compreensão desses textos. Segundo que se mesmo as interpretações desses textos cercadas de todo cuidado histórico, literário, hermenêutico, filosófico não assegura um conhecimento perfeito e completo da vontade de Deus. A leitura fundamentalista, quase sempre literal e pouco crítica conduzirá, a erros grosseiros de interpretação.

Considerando-se que o islamismo não é uma religião do ódio e da barbárie, caberá as suas lideranças religiosas se contraporem de forma clara e direta a essas interpretações radicais. Se não o fizerem serão cúmplices desses atos. A melhor resposta à ignorância praticada em nome de Deus é a inteligência colocada a serviço de Deus. Está na inteligência e no estudo as melhores de chances de termos um tempo de maior tolerância e paz entre os povos, cada qual vivendo sua fé e direção. E para os crente do mundo valerão os muitos caminhos que nos conduzem verdadeiramente até Deus.