sexta-feira, 27 de maio de 2011

MENSALÃO E TANGENTOPOLI - Iguais e Diferentes. Selvino Antonio Malfatti




Eu pensei que tivesse terminado. Mas, eis que não. No noticiário desta semana, um alto escalão do governo, está sendo acusado de envolvimento em denúncias de corrupção. O mesmo ministro também está ligado ao processo de corrupção do Mensalão, Agora aparece como aproveitador de tráfico de influências e informações privilegiadas, usadas em proveito próprio conseguindo ganhos bilionários nesta atividade. 
 Chamam a atenção as semelhanças do húmus fértil onde germinou a  corrupção nos escândalos de Tangentopoli – Itália – e do Mensalão – Brasil. Naquele país, Tangenti eram propinas cobradas pelo partido para liberar empréstimos, vencer licitações ou qualquer operação que envolvesse valores. Como a maior parte acontecia em Milão, passaram a chamá-la de “cidade das tangentes ou Tangentopoli.
No Brasil, o Mensalão era uma soma – além do salário - depositada na conta dos parlamentares aliados do governo. O partido tinha um tesoureiro encarregado de cobrar propinas de empresários ou de firmas em troca de favores. Em ambos, Tangentopoli e Mensalão, houve o patrocínio e o manto de um partido acobertando as atividades ilícitas. Mas o que mais impressiona são as diferenças de rumos que cada um deles tomou e das medidas adotadas depois que tudo foi descoberto.
Os dois se propunham a uma revolução ética quando chegassem ao poder nacional. Contrapunham aos demais partidos, chamados de corruptos, um governo de honestidade. Contra o capital explorador uma justiça do trabalho, contra a presença maléfica estrangeira uma soberania nacional. Contra a democracia burguesa, a democracia participativa, contra o descaso com o funcionalismo, uma justa remuneração. Contra o mercado, um Estado regulador e contra as multinacionais, só empresas nacionais. Um governo de felicidade e bem estar para os menos favorecidos com emprego, educação, saúde e habitação.
Seus programas estavam impregnados de conteúdos morais e por causa disso mereceram a esperança das classes médias e pobres. Foram ungidos com os votos e lhes foi entregue o poder. Mas pouco a pouco, como na Revolução dos Bichos, de Orwell, no início vão se permitindo alguns leves desvios, apoiando-se no princípio de “sem excessos”, até a permissividade  total.  
Os dois partidos foram pilhados com a mão na botija. A partir daí começam as diferenças de rumos. Os envolvidos da Itália foram levados para os tribunais, interrogados e, se culpados, foram parar na cadeia. Na Brasil, esconderam-se atrás do privilégio da imunidade ou de foros especiais. Na Itália encerraram a vida política. No Brasil receberam cargos em estatais ou outros órgãos e continuaram tranquilamente a exercer suas “atividades”. Na Itália, o próprio partido se autodissolveu tamanha a pressão popular e rejeição eleitoral. No Brasil, o partido reelege e elege o presidente por meio de ações populistas, como Bolsa Família. Na Itália o desfecho foi “mani pulite” (mãos limpas), no Brasil o que poderia ser o equivalente, Ficha-Limpa, foi sepultada pelo próprio Superior Tribunal Federal ao adiar a aplicabilidade.
Mas isto não admira, pois, na Itália, um terrorista condenado à prisão perpétua por crimes comuns, no Brasil, este mesmo indivíduo, é agraciado pelo próprio ministro da justiça com asilo político...