sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

O BRASIL DE MODELO. Selvino Antonio Malfatti.





O sociólogo italiano Domenico de Masi, autor do livro O Futuro Chegou sustenta a idéia de que o Brasil pode inspirar um novo modelo de sociedade. Acha ele que, após analisar 15 sociedades precedentes, encontrou a fórmula para ser feliz.
Constata que atualmente as pessoas estão muito confusas, já não distinguindo o certo do errado, o belo do feio, o falso do verdadeiro, o sacro do profano e mesmo o que é homem e o que é mulher. Em economia, por exemplo, não se distingue o que compete ao Estado e o que é de competência do mercado. Pensa que isto é devido ao fato de que pela primeira vez na história surge um tipo de sociedade sem projeto anterior. Para ele Roma nasceu de um projeto cristão, a sociedade árabe do Alcorão, a sociedade industrial do liberalismo. A atual surgiu espontaneamente.
Só para contribuir com o debate, penso que nossa sociedade não nasceu de um projeto justamente por que os propostos mostraram-se inviáveis, falsos. Foram propostos projetos de sociedades comunistas, mas fracassaram. Tentou-se implantar modelos nazistas, fascistas e positivistas mas não deram certo. Todos foram descartados. Em resumo, os modelos propostos foram o coletivistas mas, todos eles, foram rejeitados por incompatíveis. Daí que o modelo de sociedade atual não tem modelo.
Voltando ao raciocínio de De Masi, pensa ele que o Brasil pode dar uma significativa contribuição para uma sociedade mais feliz no futuro. Este país tem uma cultura peculiar que pode amalgamar os ingredientes para um futuro melhor. Entre eles podem ser citados a miscigenação e a mistura de culturas as mais diversas e que convivem pacificamente. Há cultura indígena, negra, branca e asiática, bem como as respectivas raças. Inclusive o tão criticado “jeitinho brasileiro” para ele tem aspectos positivos, como para dar flexibilidade diante à rigidez das normas. O Brasil, para ele, tem senso de vida, tem ritmo e música, as relações interpessoais têm beleza, é extrovertido, é sensual. Isto é positivo e pode ser imitado e com isto se introduz a felicidade na convivência social.
O grande problema é que o Brasil não assume sua própria cultura. Primeiramente passou 450 anos imitando a Europa e agora ultimamente só pensa nos Estados Unidos. Este é seu maior entrave: imitar os outros. Há uma tendência de “bostonizar” a economia, de “rocalizar” a arte e “inglesar” o língua. Isto destrói e descaracteriza a própria cultura.
Um dos aspectos que mais se destaca é da questão da “felicidade no trabalho”. Esta advém da autorrealização criativa, presente no trabalho que depende da mente e ausente no braçal. A felicidade advém quando o trabalhador atua com liberdade, tem mútua ajuda dos demais, a incerteza é reduzida, percebe a correlação entre o trabalho e a vida, o conflito é substituído pela cordialidade. Só então as probabilidades de um trabalho prazeroso aumentam.

Ora, para se atingir isso é preciso substituir o controle pelo incentivo. O primeiro impõe, escraviza, subjuga. O segundo valoriza, dialoga, liberta. Um trabalho livre e espontâneo faz as pessoas crescerem e por isso trabalham felizes. Há, porém, um enorme entrave para isso: o trabalho braçal. Enquanto houver necessidade deste, as pessoas que o exercem dificilmente serão felizes. Não é a mesma coisa um trabalho de complemento da automação (rotineiro e repetitivo) e a atividade de um designer, essencialmente criativo. O primeiro tem um lugar fixo e o cumprimento no horário pré-estabelecido. O segundo pode acontecer em qualquer lugar e qualquer tempo. Dificilmente alguém se sente feliz com o trabalho preso a um lugar e a um horário. Quando a máquina conseguir substituir esta atividade, então é possível abrir as portas da felicidade laboral também ao trabalhador braçal.