sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

NATAL.COM.ELE - Selvino Antonio Malfatti




3. Alegria
Uma das maiores virtudes cristãs é a alegria. Ser alegre é um estado de espírito que se conquista com continuado esforço pessoal. É predispor-se a receber bem uma pessoa, uma notícia ou acontecimento. As Sagradas Escrituras fazem muitas referências a esta virtude. Geralmente vem associada a alguma comemoração. A etimologia desta nos remete à lembrança conjunta, (cum-memorare). O próprio anúncio da encarnação do Salvador foi precedido pelo anjo convidando à alegria: alegra-te, Maria. Sempre que ocorrem boas novas há um convite à comemoração. Quando o Salvador nasceu, os anjos convidam os pastores a alegrarem-se: ...vos trago uma boa nova de grande alegria. Ao iniciar a vida pública, nas bodas de Caná, quando a alegria dos convivas estava esmorecendo, o mestre levanta os ânimos brindando-os com o símbolo da alegria, o vinho.
A alegria não significa ser espalhafatoso, volúvel, dar gargalhadas. A alegria verdadeira pode ser externada fisicamente de várias formas, como sorrisos, abraços, aperto de mão. Contudo é pelos olhos que ela mais se mostra. Por que estes refletem o estado da alma. Pelos olhos se pode ver se somos bem recebidos ou se recebemos bem. Se agrademos de coração ou alguém se mostra reconhecido. Se há perdão interno ou só exterior. Os olhos não mentem, são sinceros. Por isso que há a expressão: olhar nos olhos.
Várias condições materiais acompanham a alegria, como saúde, bem-estar, realização profissional e familiar. O dito popular de que “quando a pobreza entra pela porta a alegria sai pela janela”, evidencia o quanto é necessário preparar-se para ter boa qualidade de vida e ter alegria. Há algumas tristezas que não podemos evitar, e nesse caso somente os heróis conseguem ser alegres na adversidade. Às condições materiais acompanham as espirituais como educação, a preparação profissional e mesmo a religião.
Todos os vícios e defeitos são inimigos da alegria. Mas o maior de todos é o rancor, por que leva direto à tristeza. Evidentemente se não gostamos de alguém não podemos, de uma hora para outra, amá-lo. Mas podemos simplesmente deixar de pensar nele e com isso não guardar raiva.
A alegria no Natal pode ser comemorada de forma simples, mas sem deixar de fazer. Reunir a família e os amigos. Trocar pequenas lembranças, preparar algo para beliscar, servir uma bebida. Se possível uma música ou canção natalina. Não é a ceia que faz a alegria, mas a alegria que faz a ceia. A alegria é a melhor decoração da festa de Natal, por que ela é de coração.