sexta-feira, 15 de abril de 2011

A SOCIEDADE DO COMPARTILHAMENTO - WIKINOMIA. Selvino Antonio Malfatti

Imagens:
1. Comunicações - Brasil
2. Telecom - Portugal




Em cada época e em cada lugar as sociedades depositam a sua força de mobilização em algum elemento. Os antigos gregos tinham esta força na oratória, os romanos no direito, os cristãos medievais na fé, a modernidade na ciência e tecnologia e a nossa época, na informação. Diferenciamo-nos do período anterior por termos um conhecimento e informação aberta, isto é, acessíveis a todos, compartilhados. Basta abrirmos a internet, procurar determinado conteúdo e o encontramos sem esforço e gratuitamente.

O avanço da informática nos últimos tempos foi espantoso. Poderíamos caracterizar estes últimos tempos em três períodos: sociedade industrial, sociedade pós-industrial e a sociedade da informação. Na sociedade industrial predominava tecnonomia, a pós-industrial a logonomia e a da informação a wikinomia, esta última assim denominada pelo economista Don Tapscott, por que o saber e a informação estão disponíveis para todos e compartilhados.

Até pouco éramos um sociedade em que o segredo do saber garantia sucesso na economia, política e na própria ciência. Atualmente já não basta isto. É preciso possuir um saber compartilhado, relacionado, aberto. As grandes empresas não detêm mais “segredos”, mas O SEGREDO, isto é, sabem relacionar-se. A tecnologia que usamos como telefone, televisão, computador não é mais obra de um grupo ou de um país. É feita por vários grupos em diferentes nacionalidades. Uma peça é feita aqui, outra em outro local e outras em países diferentes. Isso tudo foi graças o intercâmbio do conhecimento e da informação: internet, msn, iPad, twitter, facebook, Google nos colocam ao par de informações em tempo real. Posso saber agora, por exemplo, o que uma pessoa em Tóquio, está pensando através do twitter. Vemos e somos vistos em tempo real. Até cirurgias podem ser feitas à distância. Estamos todos num aquário expostos ao público.

O que está sucedendo atualmente é o mesmo que ocorreu no início da idade moderna com a invenção da imprensa por Gutenberg. O conhecimento perdeu o monopólio, espalhou-se por toda parte e popularizou-se. As consequências daquela descoberta foi uma revolução econômica, social, política e religiosa. O mundo medieval desabou.

E quais seriam as consequências do acesso instantâneo e ilimitado ao conhecimento e à informação da nossa época? Podemos começar pelas adjacências, isto é, o que ocorreu e está ocorrendo com sociedades que estavam privadas da informação e de repente a conseguiram. Refiro-me às ditaduras árabes e africanas. Ali, os jovens começaram compartilhar informações, não precisaram mais de líderes, foram às ruas em massa e derrubaram o ditador, como aconteceu no Egito e provavelmente acontecerá o mesmo com outros tiranos. O que eles queriam? Democracia, liberdade, emprego. Queriam uma vida humana. Este era o problema deles.

E dentro de nossas sociedades o que poderá acontecer? O dado mais visível é o problema do emprego. De um lado os idosos são sempre mais longevos e numerosos e, consequentemente, permanecem mais tempo no emprego e quando se aposentam vivem mais. Por outro lado, os jovens chegam à vida adulta e não conseguem trabalho, pois a tecnologia os substitui e os poucos empregos que há estão com os idosos. De um lado estão os idosos com as vagas e de outro os jovens com a informação compartilhada. O que acontecerá? Os jovens se revoltarão contra a tecnologia, como aconteceu no passado? É muito provável que não, pois eles gostam dela. Sobram, então, os que detêm os empregos, os idosos. Adviria, então, “A Revolução dos Idosos” de Frank Schirrmacher?

6 comentários:

  1. Nada acontecerá porque os jovens estão em sua maioria vivendo uma adolescência até os trinta ou mais.......e onde?Na casa dos pais,usufruindo de suas aposentadorias.

    ResponderExcluir
  2. Sim,estamos vivendo novos tempos,nunca obtivemos tão fácil informações.Todo tipo de informação,sem censura,aberta e livre...Estamos expostos mesmo que não não nos interesse fazer parte desta ciranda,a vida,a morte as grande tragédias chegam a nossas casas em tempo real,ao vivo e a cores,principalmente as grandes tragédias que são mostradas e, revividas por muitos dias:esta comunicação torta está trazendo a sociedade incentivo para que doentes exponham as suas psicoses,principalmente os que sonham em ser astros do momento,são pessoas que acessam as redes mas não recebem conhecimento,apropriam-se da informação como uma overdose para a desconstrução de sua vida e de seus semelhantes.A humanidade caminha e caminhará como podemos analisar, numa busca constante para igualar-se a seu Criador,o mundo foi e é perfeito:dependendo de como é olhado,ou de como estamos satisfeitos... não é uma crítica pois, estamos vivendo mais,usufruindo de tecnologias maravilhosas em todas áreas e,principalmente na medicina,onde hoje grandes hospitais tanto públicos ou privados já criaram conselhos de ética para que se discuta até onde deve-se prolongar a vida de quem se encontra em estado vegetativo,dos bebês prematuros e os custos para o estado...mundo da informação,do capitalismo,do econômico se sobrepondo a valores... Os iluministas se deslumbraram com as descobertas mas tinham a moral que era para todos que faziam uso da razão.Hoje somos manipulados e com tanta informação alienados,massa de manobra para os meios de comunicação,aceitamos imposições sem espírito crítico,onde cada vez mais a individualidade é valorizada.A sociedade de informação vende muitas idéias,mas a informação é para construir conhecimento,mas não é o que se vê,o analfabetismo,a fome e a miséria são frutos da desinformação estão escancarados em todas as ruas da cidade.Precisamos e aplaudimos tudo que facilita nossa vida,mas não podemos aceitar que o povo continue,encantado ...alienado e conformado.

    ResponderExcluir
  3. Mas esta Revolução de Idosos já está acontecendo só que as redes de comunicação não comentam,mas o abandono está preocupante,principalmente de pais que não tem renda....visite um asilo.A informação está sendo ótima,todos nos ligamos,mas que ligação é esta que as pessoas estão cada vez mais solitárias,jovens encerrados em suas casas nos condominios fechados alheios a realidades.

    ResponderExcluir
  4. As grandes empresas trabalham com informação,mas sempre ficam as reservas...segredos bem guardados.

    ResponderExcluir
  5. Nunca poderíamos imaginar a poucos anos atrás que as cartas acabariam,hoje vivemos o momento,estamos na rede e se desconectados ficamos fora da informação,as notícias passam tão velozes que não estamos processando...estamos virando um pouco maquinas,somos a geração do tudo e também do vazio,da ausência,da insegurança e do individualismo.

    ResponderExcluir
  6. Sim,é muita informação e pouca reflexão,realmente não há tempo para processar;Os pais que não souberam dizer não a seus filhos já estão sentindo a tirania.Hoje são adultos e dependentes ou independentes sem tempo.

    ResponderExcluir