sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

MÁRIO SOARES - UM GUARDIÃO DA DEMOCRACIA PORTUGUESA. Selvino Antonio Malfatti.



 No dia 7 de janeiro de 2017 Portugal amanheceu de luto: falecera um grande estadista que marcou a segunda metade do século Vinte, Mário Soares. Nasceu em 1924 e 1917, o falecimento.
Foi cofundador do Partido Socialista (PS), após abandonar o Partido Comunista. Como membro deste partido exerceu por três vezes o mandato de primeiro-ministro, duas vezes Presidente da República Portuguesa e ministro nos quatro governos provisórios do Portugal redemocratizado e eurodeputado. Destacou-se também como escritor político como em “Portugal Amordaçado”.
Com ele Portugal inicia o caminho de adesão à comunidade europeia e subscreveu o Tratado de Adesão.
Sua vida política não foi só rosas. Teve seu período de amargor com a Revolução salazarista, instituindo o Estado Novo. Resistiu à ditadura do Estado Novo de Salazar e por isso foi diversas vezes preso. Experimentou o exílio na França e deportação para a África.
Com certeza o exílio em França, 1970, foi o momento marcante para sua vida política. Teve uma breve vivência como professor quando foi “charge de cours” nas universidades de Vincennes e Sorbonne e professor convidado da universidade da Alta Bretanha, recebendo o grau de Doutor Honoris Causa.
Ainda em França vai pedir apoio a sua luta política à Loja Maçônica “Le Grande Loge de France” e ingressa na maçonaria, mas mais tarde não se torna mais ativo permanecendo “adormecido”..
Com a queda da ditadura salazarista, após a Revolução de Abril, 1974, regressa a Portugal, no “Comboio da Liberdade”. Tornar-se-ia o grande líder da oposição democrática e presença marcante de atuação política.
Deposto o antigo regime os partidos políticos que atuavam na clandestinidade, foram legalizados, inclusive o partido comunista. Ao tornar-se ministro dos Negócios Estrangeiros, Mário Soares aproveita para fazer uma blindagem à democracia portuguesa estabelecendo alianças com outras democracias como França, Alemanha, Suécia, Áustria e outros. Neste contexto aproxima-se do representante dos Estados Unidos em Portugal.
No entanto o chefe do governo, General Spíndola, não conseguiu controlar a agitação da esquerda e renuncia, em 1974. O governo passa a ser controlado pelo Movimento das Forças Armadas, sob a inspiração do Partido Comunista. Iniciou-se um período de estatização de indústrias, bancos e ocupações de terras e de exilados políticos, inclusive para o Brasil. Com a vitória do partido de Mário Soares para a Assembleia Constituinte, em abril de 1975, ocorre a tentativa de golpe dos oficiais, mas fracassa o movimento. Era a Revolução dos Cravos.
Com isso finda também o período revolucionário e Portugal ingressa no rol dos países democráticos, graças em grande parte aos esforços e capacidade de Mário Soares ocupante de vários cargos políticos.
Foi primeiro-ministro de Portugal nos seguintes períodos:

I Governo Constitucional entre 1976 e 1977;
II Governo Constitucional em 1978;
IX Governo Constitucional entre 1983 e 1985.

Presidente da República 1986 a 1996 e de 1991 a 1996, num segundo mandato.

Não somente atuava na política interna de Portugal, como lançou na política internacional, mormente a europeia e África.

8 comentários:

  1. Grande politico, insubstituível.

    ResponderExcluir
  2. Um grande estadista, nossos políticos deveriam aprender com Ele um pouco de democracia.

    ResponderExcluir
  3. Um politico que serviu seu país, merece ser reconhecido.

    ResponderExcluir
  4. Portugal conseguiu com Mario Soares uma grande mudança.

    ResponderExcluir
  5. Cumpriu uma missão. Tornou Portugal mais forte,
    democrático.

    ResponderExcluir
  6. Bom exemplo para os portugueses, exemplo de homem publico.

    ResponderExcluir
  7. Homens que lutam não para si, mas para uma sociedade mais justa, nunca serão esquecidos.

    ResponderExcluir