sexta-feira, 12 de junho de 2015

MUNICÍPIO DE MATA, POR SEU DIA - Selvino Antonio Malfatti

Pórtico de entrada do município


Na região central do Rio Grande do sul localiza-se um pequeno municio, Mata. Ele é um dos poucos locais do planeta que possui madeira fossilizada. Esta riqueza fóssil estava adormecida há 200 milhões de anos e sua população simplesmente considerava um estorvo estas “malditas pedras.”
A mentalidade começou a mudar quando Padre Daniel Cargnin foi designado vigário da paróquia de Mata. Era um apreciador da paleontologia e tão logo as pedras lhe caíram no olhar um novo mundo começava a abrir para aquela comunidade. Cargnin possuía um bom relacionamento com a comunidade científica, em que pese seu autodidatismo na área.
Com a chegada do apreciador da Paleontologia em Mata foi desenvolvido um trabalho de conscientização sobre a riqueza fossilífera com que o município fora presenteado. Evidentemente, o Padre dispunha de um instrumento privilegiado para divulgar suas idéias, pois, além das rodas de amigos e dos convites para palestras, ele possuía o púlpito, que podia usar livremente por ser seu único titular e o fazia com competência.
Antes desse trabalho, no perímetro urbano e mesmo nas adjacências, os pedaços de troncos de árvores petrificadas dificultavam os munícipes em várias atividades. A população para construir uma casa, por exemplo, precisava primeiro remover aquelas madeiras-pedra para que fosse possível a construção do alicerce; se quisessem fazer uma horta, deveriam antes “limpar” o terreno, removendo aquelas “pedras”; se alguém comprasse algum sítio e nele existissem aquelas “malditas pedras”, o terreno passava a valer muito menos. Enfim, aquele material era um entulho que todos queriam evitar.
Padre Daniel aproveitou a infra-estrutura existente, isto é, praças, trevos, ruas, grutas, cantos e recantos e nela inseriu os fósseis de madeira. Para tanto, contou com a colaboração da comunidade e da Prefeitura. Toda a cidade, como idealizou Padre Daniel, foi transformada. Os fósseis maiores que a embelezam foram numerados, catalogados e há uma legislação que proíbe terminantemente de serem retirados do local.
Mata possui uma riqueza de fósseis com idade não inferior a 200 milhões de anos. Tratam-se de fossiliferos vegetais, isto é, florestas de árvores pertencentes aos grupos coníferas (araucárias). Os paleontólogos acreditam que, no lugar onde se ergue a idade de Mata, existia uma grande floresta, há cerca de 200 milhões de anos atrás. Nessa época, teria ocorrido um desnível no eixo da Terra, provocando um grande abalo na região. Como conseqüência, a floresta ruiu e foi coberta por uma camada conservadora e, posteriormente, pelas águas. A água, infiltrando-se nos
vegetais protegidos por essa camada, deles foi retirando molécula por molécula, deixando em seu lugar a sílica. Assim, ocorreu nos vegetais um processo lento de substituição e de perfeição infinita, que pode ser observado nos exemplares das pedras gigantescas expostas.

Padre Daniel transformou Mata, uma cidade bucólica, semi-agrícola, em centro turístico, passando a ser considerada um “museu a céu aberto”. Com efeito, essa imagem confere com a realidade, pois quem percorre esta pequena cidade encontra fósseis de madeira nas praças, nas calçadas, nas ruas, nos barrancos, nos pátios das casas, nos terrenos, nos sítios, nas matas; enfim as pedras estão em toda parte. Assim como na cidade de Florença, na qual para onde se olhar se enxerga arte, em Mata se vê madeira fossilizada em todos os lugares. Mata passou a fazer jus ao nome “mata”.

Vejam o novo visual de Mata:

Praça da Matriz


Gruta N.S. de Lourdes


Gruta Madre Paulina

Praça Santo Brugalli

Reserva fóssil

Museu municipal Pe. Daniel

8 comentários:

  1. Muito interessante. Uma bela história.

    ResponderExcluir
  2. Imagine se a politica local aproveitasse este potencial para atrair turistas.

    ResponderExcluir
  3. Parabéns aos Matenses, uma bela homenagem do professor que adotou esta pequena cidade.

    ResponderExcluir
  4. Muitas festas. Parabéns ao povo desta simpática cidadezinha.

    ResponderExcluir
  5. As vezes vamos em grandes viagens e perdemos de conhecer as simpáticas e históricas cidades. Aí está MATA. Uma linda homenagem professor.

    ResponderExcluir
  6. Passei em viagem diversas vezes no trevo, agora vou chegar e conhecer os pontos turísticos. Parabéns uma homenagem com muita informação.

    ResponderExcluir
  7. Cidade com presente e futuro turístico.
    Bela homenagem.

    ResponderExcluir
  8. Que graça os pontos turísticos. Parabéns.

    ResponderExcluir