sexta-feira, 10 de outubro de 2014

A Filosofia e a Vida. José Maurício de Carvalho







Viver é experiência comum a homens, plantas e animais. A vida do homem, contudo, tem algo diferente das outras vidas e muito já se disse desta singularidade. Há algum homem é possível deixar passar os dias como fazem plantas e animais, permitindo a vida fluir como se fosse a automática rotação da terra. No entanto,  temos experiência de que a vida humana não é um movimento inercial e ela implica em pontos de perspectiva e sentido para o que fazer.
Um ponto de perspectiva é um momento especialíssimo. Temos poucos deles em nossa existência. As pessoas mais amadurecidas talvez experimentem uns quatro ou cinco. São aqueles momentos nos quais tudo o mais vivido parece adquirir uma razão que aparentemente não tinha ou quando nossa existência dá uma reviravolta completa na direção de algo que parece maior e mais significativo. Jesus de Nazaré viveu um momento assim quando saiu das águas do Jordão depois de batizado por João. Ali inicia sua trajetória de rabino e profeta, deixando para traz a vida de carpinteiro e os pequenos trabalhos que realizava em sua cidade e região.
Ocorre algo assim quando deixamos um emprego seguro, mas que não realiza; uma relação confortável, mas que não nos faz feliz; quando arriscamos morrer por algo ou alguém, mas sem o que a vida não valeria muito ser vivida.  A rigor o ponto de perspectiva mais importante é o do momento da morte, se ocorre quando estamos consciente, quando tudo o que foi feito pode ser olhado de traz para frente, quando a vida que tivemos mostra seu resultado. Nessas ocasiões o que fazer diário, as escolhas aparentemente banais como ir aqui ou ali para almoçar, tomar café ou chá, estudar nessa escola ou naquela, ganham importância que aparentemente não tinham no momento vivido. As escolhas passaram a fazer parte de mim, mesmo que eu não tivesse consciência do fato no momento em que escolhia.
O sentido é a direção dada ao que se faz. Pode-se ter do fato mais ou menos consciência, pode-se considerá-lo mais ou menos importante. No entanto, como viver não é como seguir uma receita de bolo em que vamos adicionando ingredientes já selecionados para produzir uma mistura já conhecida e provada, a questão do sentido é sempre importante e se faz presente na vida, ao menos em ocasiões especiais. E como nosso que fazer não tem roteiro prévio, vivemos inseguros com nossas escolhas. Inseguros dos resultados, sem confiança de que estamos no rumo certo, na dúvida se devíamos ou não ter mantido aquele relacionamento com a linda menina ou menino de olhos verdes que conhecemos na juventude, sem saber de devíamos ter insistido naquele emprego ou profissão antes de largar para tentar algo novo. Enfim, o Pinheiro cresce no jardim onde foi plantado ou no lugar onde sua semente se fixou, se o leão segue seus instintos para fazer mais leãozinhos e para lhes levar o alimento caça nas estepes, o homem vive cheio de perguntas onde quer que habite, não importa o tempo em que viva.
E entre as dúvidas que tem muitas referem-se a questões morais que a reflexão filosófica adensa e aprofunda. Por exemplo: até quando continuaremos a explorar nosso ambiente a ponto de comprometer as futuras gerações? Até quando continuaremos a fabricar bombas para jogar uns nos outros?  Até quando a indiferença nos fará fechar os olhos ao sofrimento alheio quando pior não somos nós mesmos a causa desse sofrimento? Até quando conviveremos com a corrupção, criticando quando beneficia os outros, mas aceitando o lugar privilegiado nas filas, ganhando benefícios imerecidos, querendo aposentadoria sem trabalho e ou resultados para os quais nada fizemos por merecer? Até quando aceitaremos a violência?
Dúvidas não nos faltam porque somos um feixe de perguntas, e há aquelas que não tem significado moral mais metafísico ou gnosiológico: será que conhecemos com precisão o mundo, poderemos conhecê-lo melhor? Temos razões para acreditar em Deus, qualquer que seja nossa crença? Pode o universo em que habitamos ser reduzido a alguns elementos que lhe dão fundamento? Como resolver nossos conflitos sociais?
Enfim, para tudo isso com o que lidamos em nossa vida e em última instância com ela mesma, a Filosofia pode ajudar. E nossa existência é de tal forma que a reflexão filosófica pode não só ajudar, mas pode torná-la melhor. Pode nos ajudar a fazer escolhas, a entender melhor. Não uma Filosofia distanciada da ciência moderna, mas feita a partir de seus resultados e limitada por suas provas. Uma Filosofia que ao lado da ciência, mas diferentemente dela se obriga a sempre renascer, pois a originalidade da formulação expressa a renovação da vida.

A Filosofia como atividade é algo que o homem faz. Considerada uma forma de relação com a sabedoria nas suas origens gregas, a Filosofia é uma maneira de pensar o mundo pela qual o homem mostra mais claramente o que é e se relaciona com a realidade. E quando pensa sua vida a descobre construção de um sentido e uma reflexão sobre a perspectiva.

8 comentários:

  1. É talvez a filosofia neste momento não traga as respostas ao homem, um cientista nos seus momentos de solidão em que sua alma intimamente o coloca numa nudez onde os mais íntimos sentimentos afloram, fica a pergunta quem vencerá, a filosofia ou o conflito do filósofo.

    ResponderExcluir
  2. O que vale é a renovação da vida, a certeza de ter uma vida que valeu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se os humanos pararem para pensar no planeta que deixarão para seus filhos e netos, tudo se torna valorosa.

      Excluir
    2. Como uma ciência nos instrui, como reflexão é um tema instigante. Por isso não a tivemos na ditadura.

      Excluir
    3. Muito legal. Valeu a intenção de olhar além desta nossa vivência, outros chegarão para ocupar nosso espaço. E qual será a esperança para um mundo melhor.

      Excluir
  3. Creio que a vida e a importância da filosofia para acalmar e preencher o vazio existencial, gostei mais.

    ResponderExcluir
  4. Concluo que a filosofia se aproxima de nossos anseios, quando responde os conflitos e angustias da alma.

    ResponderExcluir
  5. É verdade gostei, somos um feixe de problemas. Mas os problemas são pedras para nos tornarmos pessoas melhores.
    Eu acredito.

    ResponderExcluir