sexta-feira, 22 de novembro de 2013

DISCIPLINA E ORGANIZAÇÃO COMO FERRAMENTAS PARA O PROGRESSO PESSOAL. Selvino Antonio Malfatti.











Estamos num contexto histórico em que se privilegiam o imediatismo, o momentâneo, o dado imediato. Incentiva-se, em nome da espontaneidade, aquilo que você pensa no momento, o querer agora, o pensar livre. Com isto se insere uma cultura do fácil, do “por si”, do grátis. Inclusive surge uma expressão difundida como se fosse uma verdade: “aprender brincando”. Por outro lado, consta-se que os que realmente conseguem algo de valioso são os que se dedicam com afinco, que queimam horas, dias e anos de energias. Os melhores nos vestibulares são os que se propõem e cumprem uma disciplina nos estudos, intercalados com descanso e lazer. Nas pesquisas científicas são aqueles que se dedicam anos e anos na observação rigorosa e nos estudos acadêmicos. Nos concurso os selecionados são aqueles que sacrificaram muitos momentos que outros aproveitaram para se divertirem. Temos, então, um confronto entre os que deixam a vida rolar e os que dão duro para encará-la. Em outras palavras, entre os que se impõem uma disciplina, e como conseqüência uma organização, e os que respondem às demandas que surgem ao acaso e como resultado não têm nada previsto ou organizado.
O resultado destas duas maneiras de pensar, agir e sentir todos a conhecem: a disciplina conduz, num primeiro momento, a dificuldades e, em longo prazo, ao sucesso, enquanto que o imediatismo, ao contrário, momentaneamente proporciona bem estar, mas em longo prazo, insatisfação e frustração. Quantas pessoas nós conhecemos que dizem: por que não estudei? Por que não me esforcei? Por que preferi um emprego em vez da sala de aula? Ao contrário, não se ouve arrependimentos de quem preferiu o esforço e tenacidade, à vida fácil e ao lazer. Sei que Bill Gates abandonou a faculdade, mas não foi para o lazer e sim para a pesquisa. Neste caso preferiu a uma vida de maior disciplina do que a vida acadêmica oferecia.
Mas como chegar à disciplina e organização? Existem medidas externas e internas. As primeiras dizem respeito ao nosso corpo. Significa ter horas certas para as refeições, asseio, trabalho, lazer e descanso. O corpo precisa criar hábitos que pouco a pouco facilitará a própria vida e automaticamente cumprirá sem necessidade de esforço.
Do externo, corpo, parte-se para o interior, a mente. Há necessidade de se aprender a concentrar-se, inclusive fixar-se. A dispersão dissipa as energias. É preciso policiar a mente para que ela não divague fora do foco, o objeto.
O segundo quesito da interioridade é o ritmo e a ordem. Afastar a idéia de querer tudo de uma vez, É preciso seguir o fluxo natural. Há tempo de plantação, de crescimento e só depois a maturação e colheita. Querer saltar ciclos, queimar etapas significa necessariamente fracasso.
O seguinte passo é ter a coragem para transpor o ciclo posterioer, isto é, não querer acomodar- se naquilo que alcançou. Assim como não se pode saltar etapas, também não se pode estacionar numa delas. Ser aluno até pode ser prazeroso, mas é preciso passar para o patamar do profissional.
A etapa adiante é congregar em torno de si outras pessoas. É ser um polo que imanta outras pessoas. Se até então foi um discípulo agora é a vez de ser mestre. Ter a coragem de assumir a liderança.
Na sequência, é não permanecer naquilo que aprendeu, mas criar algo novo, avançar, progredir. E nisso vai risco, mas é preciso assumi-lo se quisermos melhorar. A mesmice enfastia e embrutece. Nós não somos movidos pelo instinto e sim pela razão. As casas do João-de-Barro são sempre iguais em todos os tempos e lugares. As dos homens todas diferentes.

Criado este ambiente o ser humano está apto a comprazer-se na liberdade. Este é o estágio supremo: ser livre na disciplina e ordem.

10 comentários:

  1. Sem disciplina não avançamos.

    ResponderExcluir
  2. Se faltar disciplina nada funciona.muito interessante seu comentário.

    ResponderExcluir
  3. Gostei muito desta REFLEXÃO , mas é muito difícil endireitar o torto por isso é de pequeno que se torce o pepino.

    ResponderExcluir
  4. Tudo que poderia se falar de exigência e disciplina foi escrito,está perfeito,um olhar aberto em todos os ângulos, numa família onde não se exige disciplina não há organização,os pais tornam-se reféns de seus filhos,portanto qualquer sociedade deve se organizar,sair de um discurso vazio e partir para ação. Vivemos época de grandes desafios e, como colocaste quando dispomos de ferramentas e boa vontade nossa vida se transforma.

    ResponderExcluir
  5. Esta é uma verdade educativa Reflexão,sem ordem, organização e muita disciplina perdemos as rédeas e valores.

    ResponderExcluir
  6. Nada acontece ao acaso,precisamos sim, de muita disciplina. Ótima argumentação.

    ResponderExcluir
  7. Achei o termo ferramentas muito completo, está é a verdade mais completa.Disciplina é a chave que abre portas.

    ResponderExcluir
  8. DISCIPLINA é fazer o que tem que ser feito independente das emoções.

    ResponderExcluir
  9. É uma grande verdade devemos esta preparados para superar etapas,assim disciplinados nos fortalecemos.

    ResponderExcluir
  10. Um alerta muito bom,pena que os pais se perderam na educação dos filhos, valeu,

    ResponderExcluir