sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Reforma do país e do espaço público. José Maurício de Carvalho




Os protestos de rua no último mês tiveram como estopim os serviços de transporte e mobilidade urbana, mas incorporaram outras reivindicações, notadamente o combate à corrupção, ao empreguismo, e um pedido de melhoria na segurança, no atendimento da saúde e da educação. De modo resumido os protestos revelam um tema do qual se ocupou um grupo de estudiosos nas últimas décadas: o Estado Brasileiro funciona mal. E não só nos campos em que a população denuncia. Quando aprofundamos o problema constatamos que os órgãos de fiscalização ambiental têm sucesso muito pequeno na defesa dos ecossistemas naturais, os destinados à preservação do patrimônio cultural também não têm bons resultados a apresentar, os órgãos que cuidam da vigilância sanitária são exemplo de ineficiência. O que dizer da coleta e tratamento dos esgotos? Como classificar o trabalho de inteligência da polícia e das forças armadas? Como explicar o roubo de toneladas de dinamite que explodem caixas eletrônicos pelo país afora? E a segurança de nossas fronteiras ultrajadas com drogas e contrabando? E a fiscalização das casas de diversão como a boate de Santa Maria?
Na tentativa de entender o fenômeno, lembre-se a identificação do problema dualismo no estudo da cultura brasileira identificado por Wanderley Guilherme dos Santos. Estudiosos opõem populismo, corrupção, ineficiência e subversão comunista à democracia, industrialização e independência nacional. Uma classificação simplicista onde o mal e o bem estão bem delimitados. Esse dualismo que não atinge o âmago da questão: a deficiente visão e falta de compromisso com o espaço público. Antônio Paim publicou um esclarecedor ensaio do problema intitulado A querela do estatismo, mas além dele um grupo de estudiosos da cultura nacional publicou bastante coisa sobre a herança patrimonial herdada de Portugal. Esses autores lembram a incapacidade nacional de reformar a tradição para: 1. democracia liberal (partidos políticos definidos, ideologicamente constituídos e com programa claro); 2. capitalismo com políticas sociais nas áreas de segurança, saúde e educação, além daquelas consideradas funções básicas do Estado e 3. fazer um debate moral que repercuta nos destinos da sociedade.
O estado patrimonial encontrado entre os orientais e que chegou até nós via Portugal, devido à ocupação árabe na Península Ibérica, como explica Max Weber em Economia e Sociedade, não tem compromisso com a competência e a qualidade dos serviços prestados. A justiça feita pelo príncipe discrimina o cidadão, pois se baseia em relações pessoais. O pior é, contudo, a ausência de separação entre o patrimônio público e privado, o que faz com que os administradores públicos façam seu serviço como quem cuida da cozinha de casa. Inclusive são eles que definem as prioridades das obras. E a população também entende a esfera pública como privada. Logo, o espaço público não é do cidadão, sendo aceitável danificá-lo, urinar nele, apropriar-se do dinheiro do Estado, etc. No nordeste os assaltantes de banco dizem: não queremos dinheiro de ninguém, só do governo. (?). Não é difícil, nas cidades brasileiras, encontrar quem varra a casa ou negócio e jogue o sujo na via pública, além de nela atirar todo tipo de lixo.

Toda mudança importante no sentido solicitado pelos manifestantes de hoje com vistas a tornar mais eficiente do trabalho do Estado passa pela reconsideração do espaço público. Entendê-lo como sendo de todos, cuidando com carinho dele, estaremos dando um passo gigantesco na direção almejada pela maioria. Como entender que jovens peçam cuidado com o que é público e urine nas ruas nos carnavais? Que se brade por educação e se estude tão pouco? Que peçam respeito e desrespeitem tanto idosos e deficientes? De fato, há um Brasil para ser reformado para que os homens de amanhã não reproduzam o pior das gerações passadas.

11 comentários:

  1. Esta falta de delimitação entre o privado e o público é mal sem fim,estamos sempre perdendo,os lucros ficam com os espertos e nós povo pagamos a festa da elite.

    ResponderExcluir
  2. Concordo tudo leva para educação,nenhum país cresce se as regras não estão claros.

    ResponderExcluir
  3. O artigo trás um a profunda reflexão para não dizermos trágica,pois as notícias passam tão despercebidas que até nem nos questionamos,está me pegou a pensar como explodem tantas caixas nas agências bancarias se as dinamites estão protegidas pelo exército.

    ResponderExcluir
  4. As pequenas mudanças sempre correm atrás do desastre,falta o antes que passa por planejamento,profissionalismo,ética.

    ResponderExcluir
  5. Estamos caminhando um dia chegamos...

    ResponderExcluir
  6. Se fossemos mais educados cobraríamos qualidade de serviços,mas votamos por obrigação.

    ResponderExcluir
  7. No espaço de uma escola de adultos li¨Não jogue papel no pátio tenha educação¨IMAGINE.

    ResponderExcluir
  8. Temos tido melhoras significativas afinal o governo precisa saber do povo suas necessidades e,como somos um povo que aceita o que recebe sem reclamar,demonstra satisfação.

    ResponderExcluir
  9. Concordo com tua explicação,mas nos falta comprometimento e força de vontade.

    ResponderExcluir
  10. Ilusões

    O Estado precisa ter capacidade de planejamento, mas também não dá para ele fazer tudo. O mundo caminha para parcerias público-privadas. Precisamos equilíbrio entre os papéis do Estado e do setor privado. Temos deficiência na capacidade pública. Não é culpa de um ou dois ou três governos, são décadas com falta de planejamento( economista Otaviano Canuto,folha de São Paulo.25/08/2013)

    ResponderExcluir
  11. As mudanças precisam acontecer,não podemos viver no século passado. Hoje somos um país de contrastes onde as desigualdades estão associadas a escassez de recursos para s necessidades básicas.Para que a população participe de politicas emancipatórias precisamos, como profissionais comprometidos, conhecer o território que vamos atuar,chamar a população para elaborar um diagnóstico dentro da realidade vivida, articular para que haja comprometimento no desenvolvimento de projetos. A superação das necessidades não passa por esmolas e bolsas. A realidade nos aponta que precisamos correr para que tenhamos um salto de qualidade na educação e,esta ofereça base e condições para autonomia e cidadania responsável.

    ResponderExcluir