sábado, 8 de junho de 2013

A EXPERIÊNCIA DA VIDA EM MOVIMENTO. José Maurício de Carvalho.




A psicóloga Regina Beatriz de Resente Silva fez o lançamento da segunda edição do seu livro A mulher de 40, em outubro próximo passado. O livro resume as transformações físicas e emocionais pelas quais passa a mulher na meia idade, faz um histórico da vida sexual feminina na sociedade ocidental destacando as mudanças ocorridas no último século, aborda a experiência da sexualidade neste período da vida e finalmente, apresenta os quarenta anos como o começo da nova etapa da vida, ocasião da experiência mais próxima do envelhecimento. Quando do lançamento da primeira edição fizemos um comentário da descrição de Regina Beatriz sobre este momento da existência.  Falamos das partes do livro. A segunda edição permite tocar numa questão específica que se tornou urgente e que a autora faz com rara felicidade: situar a passagem pelos quarenta sem fantasias, sem falsos consolos, mas apresentando-a  como um tempo onde é possível estar bem.
O que faz da abordagem de Regina Beatriz uma leitura tão feliz? Ela não fantasia os 40. Trata-se de um tempo onde “a textura da pele muda, bem como o tônus muscular” (p. 57). É o momento da vida em que a mulher vive o climatério e a maioria passa pela menopausa. O corpo já não é mais o mesmo e o fato afeta o modo de viver a sexualidade. Contra esta posição serena e objetiva da autora a pressão irreal da mídia e da indústria de cosméticos que apresentam a mulher de quarenta como uma espécie de extensão das de quinze ou vinte. Há pouco tempo uma revista de circulação nacional destacou na capa o que denominou de geração sem idade, comparando mãe e filha, apresentando-as como companheiras de baladas, igualmente belas, igualmente disponíveis para o sexo. Nada mais falso, irreal e gerador de frustrações.
A abordagem é feliz porque apresenta a passagem pelos quarenta como um tempo de sofrimentos e perdas, mas principalmente de mudanças, ocasião de “estabelecer prioridade, rever valores, usufruir conquistas, dar uma reviravolta” (p. 113). Não se é mais o que se foi na juventude, a nossa história nos fez diferentes.
A leitura de Regina Beatriz é feliz porque mostra que se o corpo não é mais o mesmo e o desejo sexual também não, isto não significa que a mulher não possa viver a sexualidade de forma prazerosa. Em certo sentido a vida sexual pode ficar mais leve, quer porque o medo da gravidez já não está presente, quer porque os anos e a história pessoal permitem olhar de forma mais serena os medos e fantasias da sexualidade. A mulher ainda tem medos, mas os enfrenta com mais serenidade. Compreendeu que a vida, inclusive a sexual, é singular. Pode contar com ajuda médica e psicológica para lidar melhor com as limitações da idade e das fantasias. Pode estimular o desejo e desmistificar os preconceitos. Ela pode descobrir que “o sentido de suas ações, tanto no sexo como na vida, não está em evitar o fracasso, mas em ousar experimentar” (p. 79). Ela pode fazer muito se souber escolher com o que dispõe como corpo e experiências. Há uma frase linda que merece ser repetida: “À mulher de 40, mais consciente que aos 20 e aos 30, fica a sugestão: aproprie-se de sua vida, seja autora de sua história. As escolhas são suas” (p. 81). Clara percepção daquilo que o filósofo Ortega y Gasset ensinou no último século, a vida é o que fazer com a circunstância de que dispomos.

A interpretação da autora é feliz porque mostra os quarenta como um momento de passagem para a velhice. A mulher então “chora mais, ri mais, seleciona mais, lê mais, pensa mais, pois sabe que não tem o tempo todo ao seu dispor” (p. 85). Experimenta então o que a analítica existencial propõe, a consciência da morte é um estímulo para uma vida mais autêntica, uma vida com escolhas que têm mais a ver mais conosco e menos com o outros. Ela conclui: “o processo de envelhecimento é gradual, é lento e decorre de uma sucessão de acontecimentos (...) que transcorrem de modo vagaroso ao longo da vida. Envelhecer é um processo (...), não é uma doença” (p. 87).

9 comentários:

  1. Muito interessante.

    ResponderExcluir
  2. As vezes vemos mulheres de 40 cheias de entusiasmo,outras já estão velhas porque não sabem viver.

    ResponderExcluir
  3. Patrícia Pillar vai completar 50 anos em janeiro e não vê problemas com a chegada da idade. Em entrevista ao caderno "Ela", do jornal carioca "O Globo" deste sábado (8), a atriz contou os seus cuidados com o corpo e brincou com os comentários sobre sua beleza.(Saber aproveitar cada fase...)

    ResponderExcluir
  4. Pode até ser a passagem para a velhice,mas cara mulheres de 40 são encantadoras.Será a vivência?

    ResponderExcluir
  5. É um processo dolorido,mas daí para a velhice somam-se muitos anos,esta é a idade das realizações.

    ResponderExcluir
  6. Ela concluí,bem realmente as mudanças acontecem,mas a menopausa pode ser bem mais tardia.

    ResponderExcluir
  7. As reviravoltas são inevitáveis em qualquer fase da vida,mas é interessante o raciocínio da autora.

    ResponderExcluir
  8. Interessante,o homem também deveria expor-se mais falando de suas mudanças físicas,seus sentimentos,seus medos,suas inseguranças.Como é dolorido assumir suas fragilidades.

    ResponderExcluir
  9. A escritora entra no universo feminino mas,não expõe totalmente as fragilidades deste universo.
    As mulheres demonstram uma segurança muitas vezes aparente,digamos no silêncio,na solidão, eu posso ser eu,totalmente despida de todas as máscaras que me ensinaram a usar.
    E quando a vida cruelmente,muito rapidamente te coloca frente a nova condição de mulher de 40,50 ou 60,continue lutando por seus sonhos; a vida tem que ser vivida, a caminhada pode ser longa,melhor andar,procurar fazer uma leitura saudável desta nova fase,experiências frustantes das amigas são vivências deles,não se aproprie das suas tristezas e de seus fracassos. Não, ninguém nos ensinou que pode-se voltar e recomeçar,o que passou não voltará,o que se perdeu,perdido está.
    Mas se a vida ensinou e você aprendeu as lições apenas continue...Seu corpo está mudando, não importa porque,só não chega a esta fase de transformações quem deixou de viver.
    Melhor ser feliz pois,cada dia é um presente e o amanhã é futuro,se é futuro a nós não foi dado o poder de modifica-lo.

    ResponderExcluir