sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

POR QUE O NATAL É LIBERDADE? Selvino Antonio Malfatti





O ser humano normal quer ser bom, justo, verdadeiro e amável. Mas, apesar de querer ser isto, a toda hora escorrega e se porta exatamente ao contrário. Isto causa tristeza e decepção. Por que este dilema de querer ser algo que realiza, dá alegria, enobrece e, ao invés, enveredar para algo que diminui, dá tristeza e empobrece?
Existem várias explicações ou teorias. Uma delas a qual poderíamos denominá-la de natural apóia-se na presença simultânea no ser humano da racionalidade - que quer o bem – e a animalidade - que segue o caminho dos instintos. Como razão, o ser humano conhece o bem e com a mesma razão pode desvirtuar os instintos dando origem ao mal. Disto nasce o dilema de querer o bem e fazer o mal.
A segunda, a sobrenatural, é aquela que dá uma explicação envolvendo uma divindade ou um ser a cima do homem. Alguns teólogos cristãos, entre eles Santo Agostinho, apresentam uma explicação sobrenatural do fenômeno da dicotomia entre querer o bem, mas escolher o mal. Explicam eles.
Somos criaturas imperfeitas, pois Deus não podia criar outro Deus. Por isso fomos criados limitados e conseguintemente nem sempre sabemos o que é o bem, o certo, o verdadeiro, o justo. Ele nos criou à sua imagem e semelhança, isto é, livres e racionais, mas limitados na razão e na liberdade. Portanto, nem sempre entendemos corretamente e muito menos usamos a liberdade para o bem.
Deus que nos criou, colocou em nós a vontade para o bem, mas como não somos iguais a Ele, de podermos querer só o bem, em nós há também uma força que nos imanta para o mal. Isto aconteceu com todas as criaturas racionais que ele criou: os anjos e os homens. Só que os anjos tiveram só uma oportunidade de querer o bem ou o mal. A escolha era para sempre. Os que quiseram o mal se tornaram Demônios e eternamente só quererão o mal. Os que quiseram o bem são Anjos e eternamente só quererão o bem. E isto irá acontecer ao homem também. Após a morte cada ser humano ou optará pelo bem e sempre será bom ou optará para o mal e então nunca mais vai querer o bem. Não é Deus que nos condena para o bem ou para o mal, mas somos nós que faremos a escolha.
Na primeira escolha o homem falhou e sua consciência ficou avariada, isto é, nem sempre consegue discernir claramente o bem ou o mal. Então, para que o homem pudesse ver com mais nitidez, Deus ajudou: mandou seu filho Jesus Cristo. Ele veio para ser o exemplo de escolha do bem. Diversas vezes na vida dele apresentou-se a oportunidade de fazer o mal, mas ele deu as costas e optou para o bem. Por isso se apresentou como modelo de liberdade, isto é, não ser enganado pelo mal. Por que ser livre é estar livre do mal.
A questão fundamental está em podermos ser livres. Se conseguirmos dominar a nós mesmos, podemos fazer o que quisermos. Quando há algo que nos domina, não somos livres e por isso não podemos fazer o bem. O Natal, a vinda do Messias, nos ensina como agir para sermos livres.
Se formos livres podemos:
- amar a nós mesmos, nos admirar, não nos considerarmos um traste. Ter orgulho de nós. Sermos felizes.
- amar nossa esposa, esposo ou namorada, namorado. Sermos realizados, felizes.
- amar nossos pais, filhos, irmãos. Sentir a emoção de ser família.
- amar a comunidade, o grupo, a escola, o bairro, a igreja, a vizinhança. Sentir segurança no seu seio.
- poder olhar-nos nos olhos e sorrir, abraçar, beijar.
Por isso, o Natal nos ajuda a tirarmos as algemas que amarram e soltarmo-nos, ficarmos livres e só querermos o bem.

F E L I Z  N A T A L  


                                        




10 comentários:

  1. Boas festas,feliz Natal.

    ResponderExcluir
  2. Muito interessante,gostei.Feliz Natal em CRISTO.

    ResponderExcluir
  3. Um dilema com tantas tentações.FELIZ NATAL e ANO NOVO.

    ResponderExcluir
  4. Me conformo,venceremos as tentações com as bençãos de CRISTO.Um ótimo 2013.

    ResponderExcluir
  5. Um ótimo e feliz Natal.

    ResponderExcluir
  6. O homem, um ser criado para ser livre e,pode até sentir-se muitas vezes como liberto,até o momento que confronta-se com as amarras que se iniciam com sua existência.A família onde nasce,a sociedade,o trabalho,são campos conflitantes.E o ser humano é livre pela alma,quando vivenciar esta verdade,sentirá a clareza de viver não acima dos semelhantes,mas acima de si mesmo corrigindo seus defeitos.Ser livre pode ter diversas formas,muitos olhares,um mundo que se abre e, para adentrar é preciso conhecer o amor.Este talvez seja o maior sentido do Natal,do ensinamento de Cristo,ao desprender-se de ti mesmo,conheceras outro tipo de liberdade. A experiência de Santo Agostinho,a visão de outra vida o fez deixar para trás tudo que lhe prendia,tornando-se livre, acreditou no amor,vivenciou e, mesmo sendo um grão de areia sabia que, sem este grão não haveriam montanhas,assim é a liberdade em Cristo. No Natal a humanidade procura um sentido,uma nova verdade,mas o que foi edificado persiste e,o morrer para nascer é a passagem,uma vibração intensa,que liga todas as existências,tornando-nos parte de uma fraternidade universal.

    ResponderExcluir
  7. Um abençoado Natal,um Ano Novo com muitas realizações.Paz,saúde,alegrias multiplicadas,familiares unidos.

    ResponderExcluir
  8. Liberdade total é utopia.Somos eternos prisioneiros.

    ResponderExcluir
  9. Natal é Cristo que nasce,Natal é vida que vem.Feliz vida nova.

    ResponderExcluir
  10. Feliz Natal,liberdade,paz,vida.

    ResponderExcluir