sexta-feira, 23 de setembro de 2011

CULTURA REGIONAL E NACIONAL – 20 DE SETEMBRO NO RIO GRANDE DO SUL. Selvino Antonio Malfatti.






















No extremo sul do Brasil – Rio Grande do Sul – é comemorada a data de 20 de Setembro. Foi inspirada na revolução Farroupilha ou dos Farrapos que surgiu no contexto das várias revoluções que eclodiram no Brasil durante as regências, de 1832 a 1840.
Após a renúncia ao trono do Brasil de D. Pedro I – D. Pedro IV de Portugal – o Brasil mergulhou num perigoso torvelinho revolucionário regional que por pouco não se esfacelou territorialmente. Foram a Praieira, a Balaiada, a Confederação do Equador e a Revolução Farroupilha. Politicamente emergiram da ideologia política democrática, de cunho rousseauniano, a qual, como diria o historiador português Joel Serrão, deu origem ao democratismo. Esta ideologia se contrapunha ao ideal liberal da representação e defendia a participação direta do povo. Daí que as massas deviam estar sempre mobilizadas e prontas a intervir. Em Portugal esta ideologia deu origem às revoluções do Vintismo, Setembrismo e da Patuléia.
Em que pese de, no Rio grande do Sul, não ter predominado a vertente radical do democratismo, mas uma face mais democrática do liberalismo, o republicanismo, o qual se tornou o móvel da idéia revolucionária, e com isso fazia coro com os democratas radicais, pois ambos não aceitavam uma monarquia constitucional, representada na pessoa de D. Pedro II, ainda uma criança na época. Para solucionar o problema foi instituída a regência, isto é, um ou mais regentes governariam enquanto a idade impedisse o monarca de governar. Os Farroupilhas não acataram ordens dos regentes e proclamaram a independência do rio Grande do Sul, com o nome de República do Piratini, por ter sido proclamada no município de Piratini. A reintegração deu-se já depois da declaração da maioridade de D. Pedro II, através do pacificador Duque de Caxias.
A partir de então começou a se criar uma cultura no imaginário popular, através da literatura, canções, história e política. É o conjunto de idéias e valores em torno da peculiaridade do riograndense, denominado de “gaúcho”. Diz-se, por exemplo, que o gaúcho é homem de palavra, que é valente, tem orgulho de seu chão e respeitador, entre outras coisas. Por sua vez, a cultura material e imaterial expressa-se por alguns traços típicos. Na vestimenta e em comemorações usa-se bombacha, botas, lenço branco ou vermelho, pala e chapéu. Na linguagem, há termos típicos riograndenses como peão, prenda, mango, canha. Nos centros tradicionalistas – CTG – há danças típicas. No sotaque, as sílabas das palavras são bem separadas com a intercalação de tchê no tratamento. No alimento e bebida destaca-se chimarrão e churrasco. E o companheiro inseparável, o cavalo.
O interessante é que o imaginário cria o real. Quando alguém de outro estado do Brasil encontra um gaúcho e lhe pergunta se é assim, ele faz questão de dizer que sim e age desta forma. Conheço um amigo que nunca tinha feito um churrasco no Rio Grande, mas quando se mudou para o Paraná para trabalhar, foi nomeado churrasqueiro oficial dos colegas e ele aceitou, com muito orgulho...
Nada de errado com a cultura Regional, desde que não se contraponha à cultura nacional e sirva de sustentação a movimentos separatistas como o basco, na Espanha e, com menos intensidade, o lombardo na Itália. Aliás, há sociólogos como Marshall MecLuhan que levantam a hipótese de que a globalização mundial estreitou os laços da identidade cultural, internacional, nacional e mesmo local, a denominada aldeia-global. E parece que o cantor popular do Rio Grande, Teixeirinha, interpretou o espírito da cultura gaúcha na letra de Querência Amada: o riograndense quer ser um brasileiro gaúcho.
Querência amada,
meu céu de anil.
Este Rio Grande gigante,
mais uma estrela brilhante na bandeira do Brasil.”

11 comentários:

  1. É isto mesmo somos um povo especial,amamos nosso chão,nossos campos,nossas tradições.

    ResponderExcluir
  2. Não tenho palavras para expressar,mas é isto nossa história é linda.Nossa luta,tradições e lembranças engrandecem o RIO GRANDE.

    ResponderExcluir
  3. Hino Rio-Grandense.........Francisco P.
    Música: Joaquim José de Mendanha
    Harmonia: Antônio Corte Real

    Como a aurora precursora

    Do farol da divindade

    Foi o Vinte de Setembro

    O precursor da Liberdade

    Mostremos valor, constância

    Nesta ímpia e injusta guerra

    Sirvam nossas façanhas

    De modelo a toda a terra

    Mas não basta pra ser livre

    Ser forte, aguerrido e bravo

    Povo que não tem virtude

    Acaba por ser escravo

    Mostremos valor, constância

    Nesta ímpia e injusta guerra

    Sirvam nossas façanhas

    De modelo a toda a terra(Belo hino riograndense)

    ResponderExcluir
  4. A revolução farroupilha é uma história que dentro de tantas histórias vai se reciclando para manter-se viva no imaginário dos gaúchos,ela unifica um sentimento do pertencimento através de diversos símbolos como a chama crioula que iniciou com o movimento tradicionalista em 1947.Hoje todo os rincões do Rio Grande recebem esta chama é a forma de mostrar que as tradições estão vivas.A revolução farroupilha é a fundante da cultura gaúcha e nos centros de tradições gaúchas cultua-se o ideário farroupilha de liberdade e igualdade.Sabe-se que a história procura enaltecer grandes feitos,porém também sabemos que nossos heróis, os farrapos, no quesito igualdade foram cruéis com os negros,usados para lutar e,depois como moeda negociados.Mas é uma história bonita e,realmente quando estamos fora do estado temos outro olhar,porque são tradições que romperam fronteiras e, onde houver um gaúcho não falta o chimarrão e um bom causo dos pampas.

    ResponderExcluir
  5. Interessante parabéns aos tradicionalistas e a gauchada dos pampas.

    ResponderExcluir
  6. À meia-noite do dia 7 de setembro de 1947 nasceu a chama crioula, iniciativa deste grupo de estudantes para homenagear os soldados mortos na Revolução Farroupilha e na Segunda Guerra Mundial. A chama crioula que acabava de nascer significava a liberdade e a confraternização entre os povos do mundo.

    No dia 11 de dezembro de 1964, através da Lei 4.850, a Assembléia Estadual do Estado do Rio Grande do Sul, oficializou a ronda gaúcha, com o nome de Semana Farroupilha. O período de comemoração passou a ser de uma semana, do dia 14 à 20 de setembro.

    Em 1996 , através de lei federal, o dia 20 de setembro foi oficializado o dia do gaúcho ou dia da liberdade, no qual são homenageados os heróis da Revolução Farroupilha.

    Na Semana Farroupilha é intensa a programação dos CTG’s no Brasil e em outros países. No dia 14 de Setembro a chama crioula chega na maioria dos 2500 CTG’s espalhados por todo o Brasil.

    A chama vai ao Parque da Harmonia, no centro de Porto Alegre, onde ficam acampados centenas de CTG’s, durante a Semana Farroupilha. A chama crioula vai também ao Palácio Piratini, sede do governo do Estado. O próprio governador acende o candeeiro com a chama crioula, a qual ficará guarnecida por soldados da Brigada Militar até o dia 20 de Setembro.

    Durante a Semana Farroupilha são realizados estudos, palestras, atividades campeiras, culturais e também grandes bailes gauchescos.

    O Rio Grande do Sul, sob a magia e o encanto de suas belas paisagens, nos oferece um riquíssimo folclore. Tão grande acervo brotou da convivência do homem do campo às margens da fronteira, mesclado com as raças do litoral, comungado com a farta dádiva da natureza criadora.

    O folclore gaúcho é seiva da hospitalidade do povo rio-grandense, onde germinam usos e costumes espontâneos.

    O folclore gaúcho tem o gosto marcante do chimarrão, a alegria contagiante dos fandangos e o olhar matreiro do Cruzeiro do Sul.

    ResponderExcluir
  7. O gaucho tem orgulho de suas raízes e de suas histórias contadas ao redor do fogo nos galpões de nossa querência.

    ResponderExcluir
  8. Festa farroupilha,festa do gaúcho,pois é mesmo uma grande festa.Os centros de tradições preparam-se com todo cuidado e esmero,todos se unem para cultuar e de certa forma transmitir estes valores.A festa se prolonga durante uma semana,são bailes,tardes de chimarrão para entrosamento dos peões e prendas...tudo vira festa,almoços,jantas,reuniões.E assim as novas gerações vão recebendo estes valores.

    ResponderExcluir
  9. A semana farroupilha já se comemora em todo Brasil,onde tem um gaúcho,logo surge um centro de tradições.Boa lembrança.

    ResponderExcluir
  10. Muito educativo.A festa tem história,é sempre bom entender porque os gaúchos comemoram.

    ResponderExcluir
  11. Nossas tradições tem história,belas histórias........

    ResponderExcluir