sexta-feira, 19 de agosto de 2011

DETERMINAÇÃO, SENADORES! Selvino Antonio Malfatti.


Ao que tudo indica a Presidente Dilma está disposta a encarar os corruptos que atuam na política e proceder a uma faxina ética. E como seu partido e aliados são governo e por isso detêm cargos, ela terá mesmo é que cortar na própria carne. E o clamor já se faz ouvir e está se generalizando, friso, no partido dela e de seus aliados, de tal forma que há sinais de rebeldia. O primeiro a se manifestar foi o Partido Republicano, por sinal, o primeiro ser acertado por ela com um tiro certeiro. Retirou-se do governo, embora fique com os cargos.
Em apoio às medidas da Presidente, o senador Pedro Simon, iniciou um “movimento” de apoio a Dilma Rousseff para que prossiga na luta contra a corrupção. Já são quatro ministros que se foram e dezenas de funcionários. No Ministério dos Transportes, reduto do PR, 24 servidores foram demitidos, inclusive o próprio ministro. Há poucos dias surgia a Operação Voucher da Polícia Federal culminando com mais prisões de funcionários ligados à alta cúpula.
Junto a Simon perfilaram-se em apoio ao movimento vários senadores como, Cristóvam Buarque (PDT), Ana Amélia Lemos (PP), Mozarildo Cavalcanti (PTB), Pedro Taques (PDT), Jorgue Viana (PT), José Pimentel (PT), Rodrigo Rollemberg (PSB), e Antonio Paim (PT). Os senadores que hipotecaram apoio a Dilma externaram que não era alinhamento ou adesão política, mas defesa ao Estado de Direito.  As manifestações ao “movimento” de Simon a cada dia ganha mais adesões, em que pesem discursos contrários, paradoxalmente vindos do partido de Dilma.
O que está acontecendo faz lembrar o filósofo Giambattista Vico, na sua famosa teoria da história dos “corsi e ricorsi, (Scienza Nuova). Para este autor a História da humanidade, ou talvez das sociedades globais, não é linear e muito menos um progresso contínuo. É um avançar e retroceder, mas sempre prosseguir. Por isso, não é um progredir eterno – “corsi” - e nem uma desgraça atrás da outra ou um eterno retrocesso “ricorsi”. A História, como um ioiô, tem seus altos e, do mesmo modo, seus baixos. Mas, o mais interessante é que o período “baixo” não chega ao nível do anterior e o período alto é superior ao alto anterior. Neste sentido, está sempre avançando.
Se aplicarmos ao caso brasileiro pode ser que estejamos saindo do fundo do poço, do refluxo, e emergindo para a superfície, em outras palavras, estávamos nos “ricorsi” da corrupção e agora voltamos aos “corsi” da ética. O período de corrupção estaria dando lugar à ética.
Senadores, para que o movimento triunfe é preciso “virtù” e não apenas “fortuna”. Deixar os “ses” de lado. “...se nessa hora nós tivermos condições de fazer este movimento, se o presidente Sarney tiver a grandeza de ser presidente do Congresso e os líderes tiverem um pouco mais de humildade, podemos iniciar o movimento”. (Folha de são Paulo, 14/8/2011)
De nada adianta ficar fazendo hipóteses como: se Caifás se comovesse, se Pilatos fosse mais corajoso, se Herodes abandonasse sua amante, se Judas... se, se...então, Cristo não teria sido condenado à morte.
Como Anna Hazare, da índia, É PRECISO ATITUDE!

12 comentários:

  1. Nunca na história deste País se precisou tanto de atitude,afinal será que dá para acreditar?

    ResponderExcluir
  2. presidente Dilma Rousseff deu demonstrações ontem de ignorar a inquietação do PT nos bastidores com o impacto político da 'faxina' iniciada em julho em ministérios e autarquias federais. Dilma afirmou que o governo federal irá continuar a combater os 'malfeitos' na máquina pública e ressaltou que a base aliada no Congresso Nacional também não concorda com a existência de irregularidades na administração federal. Parte do PT, conforme reportagem do Estado publicada ontem, teme que as medidas carimbem o governo Lula como corrupto.Esta noticia nos jornais de hoje(20/08)nos faz o dia melhor.

    ResponderExcluir
  3. Indagado sobre como o País pode combater a corrupção, ontem, após evento em São Paulo sobre direito de família, o ministro Cezar Peluso, presidente do Supremo Tribunal Federal, foi taxativo: 'Isso é um papel da cultura e da educação da sociedade.' O ministro concluiu: 'É a sociedade que tem de produzir pessoas que acreditem nos valores de honestidade, de decência, de seriedade etc'.

    ResponderExcluir
  4. Como não sou um especialista em política,tal artigo me traz informações,como na economia a política tem suas ondas ,isto talvez traga ao povo vontade de ir as ruas e,indignar-se,somos eleitores,podemos e devemos mostrar nossa insatisfação com políticos e partidos sem comprometimento e respeito aos seus eleitores.Tomara que a presidente entenda a importância deste início de movimento e continue atenta as denúncias,pois só assim ganhará a confiança daqueles que realmente acreditam que podemos sim ter governos comprometidos e éticos.É o momento,e com apoio dos senadores, estará demonstrando capacidade de articulação e conhecimento,afinal seu padrinho político a cada crise tenta mostrar sua incompetência.Hora de assumir o governo,tem que haver articulação assim se faz política não é mesmo?Mas também ser firme,porque aqui a questão é fazer mudanças profundas...afinal quem está no poder não quer perder, que não perca mas seja honesto,viva com o que ganha,comece a mudar.Sim é verdade a sociedade tem que produzir pessoas comprometidas com a verdade e com a ética,mas aqui se pergunta se o povo está totalmente envolvido,ouvindo e vendo absurdos sem que haja uma responsabilização efetiva de tais desconcertos,acaba se achando otário e abandona seus valores éticos,afinal temos muitas leis,e um código penal que atualmente precisa urgentemente ser revisto e fortalecido;pois leis são feitas para serem cumpridas,mas não acontece,e o povo está perdendo suas referências éticas e morais.Há muitos anos a lei de Gerson virou sinônimo de esperteza,sempre levar vantagem.E assim o exemplo deverá vir de cima,daqueles que acabaram com os ensinamentos de pais honestos e trabalhadores.Tomara que a presidente aproveite este momento e, passe para a história como a criatura que superou seu criador,fazendo de seu governo o início de um novo tempo,defendendo a democracia sem submeter-se ao jogo de interesse obscuros.

    ResponderExcluir
  5. Agora que a carreta saiu dos trilhos será que tem concerto?Admiro os otimistas,espero a anos alguma mudança,sai partido,entra outros e tudo igual.Tomara que vocês tenham sempre esperança.

    ResponderExcluir
  6. Fernando Henrique Cardoso pede que PSDB apoie Dilma
    SRZD - ‎19/08/2011‎
    Na visão do ex-presidente, se o partido bombardear Dilma agora, ele vai torná-la refém dos setores mais atrasados de sua base de apoio no congresso. E também, reforçar Dilma pode diminuir a possibilidade da candidatura de Lula para a presidência(o que será que F.H.C está querendo...não somos ingênuos de acreditar em tanta bondade.háhá

    ResponderExcluir
  7. A suposta faxina feita pela presidente Dilma Rousseff pode não estar perfeita. A constatação é de Irani Silveira, governanta do Palácio do Planalto. Ela encontrou ontem muita sujeira que foi varrida para baixo do tapete. “Já tem muito tempo que não fazem uma limpeza aqui.”, disse Irani. “O último inquilino não era muito chegado em faxina”, afirmou. Lula reagiu com firmeza: “Nunca fiz limpeza mesmo. Faxina é coisa de mulher”(revista época.Nelito Fernandes 21/08/20110)

    ResponderExcluir
  8. Por Vera Rosa, no Estadão:
    A “faxina” no governo da presidente Dilma Rousseff, que já derrubou quatro ministros em dois meses e doze dias, causa extremo desconforto no PT. Dirigentes do partido, senadores, deputados e até ministros temem que, com a escalada de escândalos revelados nos últimos meses - especialmente nas pastas dos Transportes, do Turismo e da Agricultura -, o governo de Luiz Inácio Lula da Silva acabe carimbado como corrupto. Todos os abatidos na Esplanada foram herdados de Lula.

    Em conversas a portas fechadas, petistas criticam o estilo de Dilma, a “descoordenação” na seara política e o que chamam de “jeito duro” da presidente

    ResponderExcluir
  9. Acho que não podemos deixar de acreditar,tomara que prevaleçam os valores maiores,não dá para perder a esperança.

    ResponderExcluir
  10. O senador Pedro Simon (PMDB-RS), um dos líderes da frente parlamentar suprapartidária de combate à corrupção, comparou o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP) ao papa, afirmando, em tom de ironia, que ele está "acima do bem e do mal". Simon fez a crítica ao comentar a denúncia de que Sarney usou um helicóptero da Polícia Militar do Maranhão - governado por sua filha, Roseana Sarney (PMDB) - para passear em sua ilha particular.
    "O Sarney é uma figura institucional, ele é que nem o Papa, se usou, usou bem. Não sei nem de quem foi, nem por que foi, usou e pronto. Não precisa explicar nada pra ninguém", criticou o gaúcho.
    Reportagem da Folha de S. Paulo acrescentou que numa das viagens no helicóptero, o desembarque das bagagens de Sarney teria atrasado o atendimento de um homem com traumatismo craniano e clavícula quebrada que fora socorrido pela PM. "Mas não era hora desse cidadão ficar doente, esperasse o Sarney fazer o passeio", ironizou Simon. "O Sarney está acima do bem e do mal", Noticia de hoje 22/08/2011.Afinal alguém está tentando mudar o momento do povo apático.

    ResponderExcluir
  11. Realmente vai que a criatura aqui nossa presidenta iluminada,resolva ir além do que seu padrinho político pensava,virá muita surpresa háhá....

    ResponderExcluir
  12. “É importantíssimo respeitar a dignidade das pessoas, não submetê-las a condições ultrajantes. E eu sei disso porque já passei por isso”, disse. Segundo Dilma, o maior objetivo do atual governo é fazer o país crescer. “O centro do meu governo é fazer o país crescer, combater a pobreza. O resto é tomar providência contra malfeito, é obrigação como presidenta.Época 24/08/2011 entrevista com a presidente.

    ResponderExcluir