sexta-feira, 12 de agosto de 2016

Notícia do lançamento do livro: Ortega y Gasset e nosso tempo


O Professor José Mauricio de Carvalho, Professor do IPTAN de São João del-Rei, com uma palestra no auditório do Instituto Cervantes de São Paulo, apresentou no 3 do mês corrente, o seu novo livro intitulado Ortega y Gasset e nosso tempo. A palestra foi assistida pela comunidade espanhola da cidade, alunos e estudiosos de filosofia presentes ao evento. A palestra foi precedida por uma síntese do pensamento orteguiano feita pelo Professor Juan Carlos Vidal, Diretor do Instituto Cervantes e estudioso de Ortega y Gasset. Juan Carlos lembrou da importância do filósofo madrilenho como intérprete de nosso tempo e ao mesmo tempo um homem vivamente envolvido com as questões de sua pátria. Em seguida, passou a palavra ao Professor José Mauricio. Este afirmou que o livro pretende ajudar a pensar os nossos dias e suas dificuldades, refletindo sobre questões fundamentais, entre as quais: como viver em nosso tempo? Como tratar dos espaços existenciais e nossas relações? Por que viver parece tão difícil hoje em dia? Como o homem lida com as limitações e a morte, e também com as incertezas, esperanças, crenças, descobertas e perdas que pontuam a existência? Como dar um sentido à vida?
Na continuação, José Mauricio explicou que Ortega y Gasset define viver como o que fazer na circunstância, principalmente diante do novo. É nessas situações que é mais necessário achar o sentido do que se faz, pois não basta se esforçar para viver, sem sentido o esforço vira melancolia, marca do Dom Quixote na famosa novela de Miguel de Cervantes. Em seguida, lembrou como a questão do sentido aparece em nossa literatura, afirmando que para Ortega y Gasset a vida é sempre perigosa naquele sentido que Guimarães Rosa mencionou em Grande Sertão: Veredas. Ao lembrar o escritor brasileiro fez uma homenagem a esse clássico de nossa literatura, que comemora, este ano, sessenta de publicação e é uma das mais importantes peças literárias do país. Publicado em 1956, um ano após a morte de Ortega y Gasset, o livro de Guimarães Rosa menciona os caminhos e descaminhos da alma humana no esforço do sentido.
José Mauricio recordou ainda que desde a publicação do seu primeiro livro sobre o filósofo espanhol em 2002, dezenas de teses de doutoramento foram defendidas sobre ele, surgiu a revista de Estúdios Orteguianos, dirigida por Javier Zamora Bonilla que estuda exclusivamente a obra do filósofo espanhol, e lembrou ainda que foi reeditada suas Obras Completas pela Taurus. Disse que no Centro dos Estudos Orteguianos, em Madri, se sucedem debates e exposições que permitem entender o filósofo cada vez mais profundamente e que tudo isso renovou a compreensão da sua filosofia. Esclareceu que o livro quer trazer ao público brasileiro as novidades mais importantes resultado dessas iniciativas, além de mostrar a atualidade do pensamento orteguiano para entender o nosso tempo.

Concluiu que, em nossos dias, refletir sobre a vida, tema essencial de Ortega, é exigência para a superação da rotina de trivialidades e do esforço vazio de sentido. Rotina de trabalhos superficiais e esgotantes, da muito árdua luta pela sobrevivência, tanto mais dura quanto mais dificuldades a vida traz. E terminou dizendo que pesquisas recentes mostram que o estudo da Filosofia melhoram a inteligência das crianças e torna melhor a vida do adulto.

9 comentários:

  1. Bem, o livro parece ser um bálsamo para nossos dias tão pequenos de sonhos e esperança. Que tenhamos tempo para uma leitura agradável.

    ResponderExcluir
  2. Concordo e acredito que a educação transforma,
    a filosofia é o caminho.

    ResponderExcluir
  3. Esforço vazio sem sentido, parece que estamos incompletos.

    ResponderExcluir
  4. Parece ser um bom livro. Parabéns.

    ResponderExcluir
  5. A filosofia ganha muito com este lançamento.
    Parabéns professor.

    ResponderExcluir
  6. Acredito que será uma ótima leitura, afinal está complicado situar-nos em nosso tempo, o tempo já está sem tempo, parece loucura, mas corremos sem saber para onde.

    ResponderExcluir
  7. Imagine começar a educar as crianças dando-lhes oportunidade de elaborar seus conceitos, com certeza teremos jovens mais preparados para a vida.

    ResponderExcluir