sexta-feira, 18 de março de 2016

A coluna vertebral de um país. José Mauricio de Carvalho



Quando Max Weber publicou sua obra mais conhecida, A ética protestante e o espírito do capitalismo, ele pôs em evidência uma questão interessante, a relação entre a produção econômica e a crença religiosa. Desde então o assunto mereceu aprofundamento, debates e ampliações. Não se pode deixar de registrar a contribuição de Viana Moog com Bandeirantes e Pioneiros e Richard M. Morse com O espelho de Próspero. Entramos nesse debate, em 1995, com o livro Caminhos da moral moderna a experiência luso-brasileira (Belo Horizonte: Itatiaia, 1995 - coleção reconquista do Brasil), onde procuramos mostrar que não só a crença religiosa, mas a organização política e jurídica da sociedade são decisivas para seu desenvolvimento e enriquecimento. Comentamos que a proposta pombalina de modernização do Estado português, preservando a monarquia absoluta, o padroado e a adoção, por Melo Freire, do idealismo jurídico na construção do primeiro Código de Direito Civil de Portugal (e também do Brasil por extensão), igualmente explicam as dificuldades que tivemos de entrar no clima da modernidade. Muita coisa ocorreu desde o século XVIII, mas os problemas que daí vieram interferiu por muitas décadas no destino do país, se é que ainda não interfere.
O espírito do capitalismo, para Max Weber, é um código de conduta que se revela na dedicação ao trabalho, na preparação para a profissão, na entrega diária, à excelência profissional. Nesse sentido, o trabalho não seria necessário apenas para assegurar a sobrevivência, mas fundamental como parte da vida humana. Para essa mentalidade contribuiu a ação, embora não intencional, de Lutero que deu ao trabalho um sentido divino ao aproximar a vocação dos homens da missão terrena. Mesmo sem pretender, Lutero estimulou as pessoas a se dedicar, com excelência, ao trabalho e a ter cuidado com o mundo. Um pouco do que o Papa Francisco pede ao falar da preservação do planeta passa pela mesma crença no embelezamento da obra de Deus. Porém, só cuidará do mundo como quer o Papa Francisco quem acreditar que é tarefa do homem torná-lo belo, limpo e agradável com o trabalho dedicado, disciplinado e bem preparado. Não sei como fazer isso quando mesmo sob ameaça de dengue, zika e outras doenças, as pessoas não conseguem organizar a própria casa com capricho e sem deixar água parada. A televisão diariamente o lixo espalhado pelas cidades e casas, que é onde se localizam os principais focos do mosquito. Pobre casa comum do Papa Francisco tão desleixada por tantos.
A questão de Weber pode ser aprofundada se entendemos que nossa relação com o mundo passa pela forma como organizamos a vida e os valores, que Miguel Reale ensinou ser a base da cultura. Como produto do esforço e dedicação do homem, a cultura se afasta do mundo natural. Por outro lado, o homem somente vive e se insere perfeitamente na cultura quando experimenta os bens culturais e incorpora os valores que eles contemplam. Por isso, a cultura é marcada pela objetividade, temporalidade e historicidade. Os valores culturais, por sua vez, constituem a coluna vertebral do povo, pois sem eles não haverá compromisso com a excelência, nem rumo ou esperança. Por isso, nada faz mais mal a nosso povo que lhe quebrar a hierarquia de valores, pois sem os valores em que se acredita, perde-se no que crer e para que viver.
Todos esses episódios tristes da política nacional, se de um lado, nos fazem ter um resto de esperança pela ação reparadora da justiça, mas por outro lado exigem rumos diferentes para que a política, como expressão do destino do povo possa se pautar por valores importantes base da vida social: a verdade, a sinceridade, a honestidade, a correção e a excelência no que se faz.


9 comentários:

  1. Código de Conduta existe para o capitalismo? Precisamos avisa-los.

    ResponderExcluir
  2. A explicação do econômico, conforme Weber não é o religioso, mas o cultural.

    ResponderExcluir
  3. A questão de Weber pode ser aprofundada se entendemos que nossa relação com o mundo passa pela forma como organizamos a vida e os valores.
    ...Ai está o que a falta de valores faz, desorganiza a vida, família e sociedade.

    ResponderExcluir
  4. A falta de hierarquia e valores adoece uma sociedade e gera insegurança.

    ResponderExcluir
  5. Precisamos urgentemente entender o momento que vivemos como oportunidade para mudarmos, trabalhar a nova geração. Sem educação não temos
    FUTURO.

    ResponderExcluir
  6. Tão atual para nos perguntarmos, porque no Brasil não estudamos filosofia no primeiro grau.
    Aprenderíamos a pensar.

    ResponderExcluir
  7. A crise politica e econômica, está bem clara quebra de valores, falta de hierarquia.

    ResponderExcluir
  8. A coluna vertebral de um país se forma com hierarquia, moral e ética. jeitinho brasileiro destruiu esta coluna, fazendo um estrago nos valores das novas gerações

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo colabora para acabar com a família e os bons costumes. Começou com os professores se igualando aos alunos, falta de hierarquia,seguem os pais amiguinhos etc

      Excluir