sexta-feira, 12 de julho de 2013

O URUBU E A POLÍTICA. José Maurício de Carvalho.


Hoje quero expressar minha homenagem a Jean de la Fontaine, o escritor francês que se tornou mundialmente conhecido por suas deliciosas fábulas. La Fontaine viveu no século XVII, nasceu em 8 de julho de 1621 e morreu em 13 de abril de 1695. Ele deu ao classicismo francês grande expressão. Antes de escrever suas instigantes fábulas elaborou contos interessantes onde examinava a psicologia feminina. Ele foi também autor de novelas notáveis como Boccacio e Ariosto (1665) e Os amores de Psique e Cupido (1669). As fábulas de La Fontaine foram reunidas em doze volumes publicados entre 1688 e 1694. Suas fábulas mais conhecidas são: A cigarra e a formiga, O lobo e o cordeiro, A raposa e as uvas e O corvo e a raposa. A marca de La Fontaine são personagens animais com características humanas, especialmente virtudes e vícios. La Fontaine usou seu talento literário para discutir questões morais.
A homenagem ocorre no momento em que estados do sudeste estão alagados pela imprevidência e falta de planejamento dos governos e sociedade. O fato lembrou-me uma história da infância e que era mais ou menos assim: contam que, certa vez, no reino da bicharada a vida na floresta ficou difícil por conta da superpopulação. Bichos muito numerosos estavam com convivência difícil, exigindo leis e ações de planejamento que assegurassem o bem estar de todos. Havia enorme desconfiança dos bichos que ocupavam os lugares baixos da floresta em votar nos que habitavam os lugares altos e vice versa, os que viviam nas águas não confiavam nos que habitavam a terra e estes não queriam entregar o poder administrativo das matas a quem não punha os pés em chão firme.  Apenas a urgência de administrar as dificuldades obrigou a organização das eleições. Depois de muita confusão e um processo eleitoral conturbado venceu o pleito a Coligação Floresta Feliz liderada pelo Urubu, candidato da Vigilância Sanitária (Partido da Higiene), que tinha na Vice-Presidência a Serpente (Partido da Fidelidade) e como conselheira a raposa (Partido da Sinceridade). Estabelecido o governo todos os animais se acreditavam bem representados. Além do mais os políticos prometeram solenemente se comportar, o Urubu a não comer restos públicos, a Serpente a não ser traiçoeira e a raposa a ser transparente nas contas e sincera nas declarações.  
Os animais estavam incomodados porque a destruição da mata ciliar aumentava as enchentes, a venda das árvores para uma carvoaria aumentava a temperatura ambiente e influía no ritmo das chuvas, a falta de preservação das nascentes e esgotos sem tratamento diminuía a água de qualidade. Os eleitos empossados trataram de se arrumar, o Urubu conseguiu morar num condomínio de luxo no único conjunto de árvores ainda preservado, a serpente ganhou um vale preá e a raposa transferiu o gabinete para o galinheiro. Quando veio o tempo das águas nada havia sido feito a não ser as leis que favoreciam a boa vida dos políticos. Sem mata ciliar para proteger os rios a inundação foi grande e o sofrimento da bicharada aumentou. Enquanto isto do alto de sua árvore sua Excelência prometia aos meios de comunicação: ano que vem será tudo diferente, tomarei enérgicas providências. Vou determinar o reflorestamento, usar os recursos públicos na proteção dos rios e cuidarei da qualidade das águas.

Depois de grande sofrimento para a sociedade passou o período das chuvas. Diante do céu azul, o Urubu de asas abertas no lindo sol dedicou-se a comer os restos do exercício anterior. A serpente com estoque renovado de preás e sapos (com o adicional de produtividade) e a raposa com galinheiro cheio cuidavam de encher a pança. E assim viveram os tempos da fartura até que um novo período de inundação se abateu sobre a floresta. Diante do desastre geral a Raposa, em férias no galinheiro da capital foi chamada às pressas para organizar a coletiva de imprensa. A culpa é da natureza, chegou dizendo aflita aos repórteres, as chuvas estão fortes demais este ano. 

13 comentários:

  1. GOSTEI DA NARRATIVA DO JOSÉ MAURÍCIO. o GÊNERO FÁBULA É DE GRANDE VALOR PARA EXPRIMIR AS CONTRADIÇÕES HUMANAS. O MESTRE ARQUETÍPICO, CERTAMENTE, É O VELHO ÉSOPO. BOM, CONTRIBUINDO AO REPERTÓRIO, ENCAMINHO TEXTO DO MEU AMIGO FERNANDO FLORA, MÉDICO EM BELO HORIZONTE:

    FÁBULA

    AS RAPOSAS E AS MARITACAS

    Há muito tempo atrás, existia um reino composto por raposas e maritacas. As raposas viviam em lindos palácios, com paredes de ouro, e entretinham-se com o jogo de ficar cada vez mais ricas. As maritacas só trabalhavam para enriquecer as raposas.

    Acontece que como as raposas tinham uma goela enorme e só queriam enriquecer mais e mais, um dia as maritacas se encheram. Revoltaram-se contra as raposas e começaram a fazer um barulho ensurdecedor que atravessou as paredes de ouro dos palácios. Começaram a defecar nos tetos dos mesmos.

    As raposas ficaram perplexas num primeiro momento. Em seguida, resolveram ludibriar as maritacas prometendo mundos e fundos, tudo de mentirinha.

    As maritacas não acreditaram nas falsas promessas e continuaram sua revolta.

    As raposas, que de bobas não tinham nada, resolveram botar fogo no circo, como se diz. Contrataram uns “vândalos”, como eram chamados, para quebrar tudo e assim deixarem todos com medo.

    Prepararam o caminho para que o Raposa-Mor, conhecido pelos seus dotes de magnetismo e ilusão, fosse chamado como o salvador do reino.

    Dito e feito. O Raposa-Mor voltou, investido de todos os poderes pra botar ordem no reino.

    E o que aconteceu com as maritacas?

    Mas isto é outra história...
    Moral: tudo se repete no mundo das raposas e maritacas.

    GRANDE ABRAÇO AOS AMIGOS SELVINO E JOSÉ MAURÍCIO, COM O MEU ABRAÇO DE ANIVERSÁRIO PARA ESTE ÚLTIMO.

    ResponderExcluir
  2. Muito bom,as histórias se repetem?

    ResponderExcluir
  3. Até já identifiquei o urubu,muito educativo este artigo.ABRAÇOS.

    ResponderExcluir
  4. Obrigado, Professor Ricardo, pelo seu comentário. Muito nos prestigiou.

    ResponderExcluir
  5. Saudades destas fábulas,muito educativas.

    ResponderExcluir
  6. Gostei, mas os urubus poderão ser abatidos pelo voto consciente.

    ResponderExcluir
  7. Bela homenagem,merecida.

    ResponderExcluir
  8. Perfeitos os dois artigos.E quando voltará o Raposa-mor com suas maracutaias e as companheiras Roses?

    ResponderExcluir
  9. Muito bom mesmo professor, falar de politica contando uma fábula antiga,com validade para todos os tempos,que belo artigo.

    ResponderExcluir
  10. Irônico,muito atual,valeu

    ResponderExcluir
  11. E o que aconteceu com as maritacas RICARDO?Vamos socializar,tem conserto?

    ResponderExcluir
  12. As fábulas nos trouxeram grande contribuição na época que fomos educados,valeu.

    ResponderExcluir
  13. As raposas se articulam para voltar e,claro derrubar a companheira,com toda maldade,mas aparentando serem os salvadores da pátria,companheiros é o filho voltando para os braços do povo.
    As pesquisas confiáveis ou não repetem-se nos noticiários,o tapete começa a ser puxado,e para a delícia dos estudiosos, o jogo continua,façam suas apostas quem será o salvador da pátria?

    ResponderExcluir