sexta-feira, 8 de maio de 2015

DESCONFIAVA-SE, MAS NINGUÉM TINHA CERTEZA – HEIDEGGER ANTISSEMITA? Selvino Antonio Malfatti.










Depois da publicação de “Os Cadernos Negros” (schwarze Hefte) a posição que Martin Heidegger ocupa na filosofia deverá ser revista e está sendo. Neles se podem encontrar traços de nazismo anti-semita. Alguns, com exagero evidentemente, querem dar um “adeus” ao filósofo. No entanto, no mínimo se pode discutir se de fato Heidegger merece o título de “o mais importante pensador do século vinte, como sustentava a vice-presidente da “International Heidegger Society”, Donatela di Cesare.
Nestes Cadernos fica evidenciado o claro anti-semetismo, ou o anti-sionismo. Mas, o mais grave e que foi a gota d´água: a negação do Holocausto, classificado por Heidegger como suicídio praticado pelos próprios hebreus. Esta idéia de holocausto ou suicídio já vinha há tempo. Até mesmo a morte de Cristo (não de Jesus), foi considerado um suicídio. Quando os hebreus perceberam que a mensagem de Jesus se encaminhava para uma religião universal, os judeus queriam “algemar” a Jesus. Este, para salvar sua mensagem, se suicida como Cristo. Conforme a crença, não foram nem os judeus, nem os romanos que mataram a Jesus, mas foi o Cristo que se suicidou. Em que pese a fraqueza de argumentação, em favor desta teoria interpretativa, invocam-se existem fatos concretos, como o suicídio coletivo de Massada.
Para Heidegger os hebreus eram os porta-vozes de uma filosofia instrumental, através do neo-sionismo. Este significa a negação da humanidade e a institucionalização do Gherman judeu, isto é, o Ser judeu. Uma estrutura político religiosa de dominação do mundo.
O confronto entre judeus e alemães começou quando Theodor Herzl propõe, no final do século XIX, criar o Estado de Israel. Para tanto era preciso submeter toda a imprensa mundial aos líderes judeus ( Umberto Ecco descreve a reunião no cemitério de Praga, no romance do mesmo nome). Além disso, todo sistema financeiro caiu nas mãos dos judeus. Então, na Alemanha ocorre o confronto direto entre o gherman judeu e o gherman alemão. Quando Hitler ascende ao poder os judeus emitem uma ordem de boicotar o sistema financeiro alemão. Com isso, Hitler estava algemado e a Alemanha estava presa. Foi neste contexto que Hitler coloca os judeus fora da lei. Para se vingarem e salvarem sua ideologia praticam o suicídio ou o Holocausto, conforme Heidegger.
Para ele em Auschwitz e em outros campos de extermínio, os judeus eram mortos através de técnicas altamente avançados (as câmaras de gás). Por isso, pensava ele, não era nem mais e nem menos do que um suicídio coletivo. Pensa que, após a guerra, os Aliados transformaram a Alemanha num gigantesco campo de concentração sustentando, a partir disso, que as verdadeiras vítimas da guerra foram os alemães. As ditas vítimas da perseguição nazista mereceram da parte dos aliados uma cruel e imperdoável indiferença moral. Os judeus, através do Holocausto, de vítimas tornaram-se algozes, salvaram sua doutrina e conquistaram seu objetivo: criar o Estado de Israel.

Este pensamento se fosse de algum membro de seita exotérica, até seria compreensível. Mas vindo de um Heidegger, considerado o maior pensador do século XX, no mínimo é discutível, criticável, senão motivo de espanto. Daí que a estupefação dos pensadores e de milhares de seguidores.Mas, vamos aos Cadernos Negros para conferir.

6 comentários:

  1. Será a destruição de um grande pensador, qual é a verdade? Nossa que desilusão, é chocante.

    ResponderExcluir
  2. Cadernos negros. Parece até magia.

    ResponderExcluir
  3. Se verdadeiro é monstruoso. Como isto pode vir a tona tanto tempo depois.

    ResponderExcluir
  4. Realmente as pessoas sempre serão caixas de surpresa.

    ResponderExcluir
  5. Dói saber que esta grande figura tinha segredos, não deveria ter escrito, que levasse com a morte seus segredos.

    ResponderExcluir
  6. Como pode? Que desilusão com meu filósofo, até os mortos nos enganam.

    ResponderExcluir